Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de julho de 2019.
Dia da Pizza.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 10/07 às 18h38min

Bolsas de Nova Iorque avançam apoiadas por Fed e Nasdaq atinge fechamento recorde

Estadão Conteúdo
As bolsas de Nova York tiveram sessão positiva nesta quarta-feira (10), com os três índices atingindo recordes intraday de olho na postura do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). O índice S&P 500 chegou a superar os 3 mil pontos, marca inédita, enquanto o tecnológico Nasdaq registrou fechamento em patamar recorde.
As bolsas de Nova York tiveram sessão positiva nesta quarta-feira (10), com os três índices atingindo recordes intraday de olho na postura do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). O índice S&P 500 chegou a superar os 3 mil pontos, marca inédita, enquanto o tecnológico Nasdaq registrou fechamento em patamar recorde.
O índice Dow Jones fechou em alta de 0,29%, em 26.860,20 pontos, o Nasdaq avançou 0,75%, a 8.202,53 pontos, e o S&P 500 teve ganho de 0,45%, a 2.993,07 pontos.
O presidente do Fed, Jerome Powell, foi sabatinado no Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Representantes dos EUA e ressaltou incertezas como as tensões comerciais e preocupações com a força da economia global que "continuam a pesar sobre as perspectivas econômicas", enquanto as pressões inflacionárias estão em patamar modesto. A ata da última reunião de política monetária, divulgada nesta tarde, mostrou que os dirigentes concordam que haverá a necessidade de mais acomodação monetária, caso os riscos persistam. O documento também mostrou que vários dos dirigentes avaliam que um corte na taxa de juros poderia ajudar a amortecer choques futuros.
Analistas em geral viram a comunicação de hoje como um reforço na expectativa de corte nos juros no fim deste mês, enquanto o CME Group mostrou inclusive um avanço nas apostas de uma redução mais agressiva, de 50 pontos-base, embora a aposta majoritária continue a ser de uma redução de 25 pontos-base.
Nesse quadro, o apetite por risco foi apoiado nas bolsas de Nova York. Somou-se a isso a alta forte do petróleo, que ajudou papéis do setor de energia: Chevron fechou em alta de 1,69%, Chesapeake Energy subiu 5,52% e ConocoPhillips, 2,20%.
Os setores de tecnologia e serviços de comunicação também se saíram bem. Entre os destaques nesse universo, Apple subiu 0,99%, Amazon ganhou 1,46%, Facebook registrou alta de 1,77% e Alphabet (Google), de 1,48%.
A expectativa de juros mais baixos adiante, porém, pressionou ações do setor bancário. Goldman Sachs caiu 0,87% e Citigroup, 0,60%, destoando do quadro positivo para a maioria dos papéis em Nova York.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia