Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de julho de 2019.
Dia da Pizza.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

10/07/2019 - 13h59min. Alterada em 10/07 às 13h59min

Maioria das Bolsas da Europa fecha em baixa após revisão de projeções econômicas

Estadão Conteúdo
As bolsas europeias fecharam majoritariamente no vermelho nesta quarta-feira, 10, pressionadas pela revisão para baixo da projeção da Comissão Europeia para o crescimento da economia da zona do euro em 2020. A exceção foi a Bolsa de Milão, favorecida pela surpresa positiva com um dado industrial da Itália. O índice pan-europeu Stoxx 600 teve queda de 0,20%, para os 387,15 pontos.
As bolsas europeias fecharam majoritariamente no vermelho nesta quarta-feira, 10, pressionadas pela revisão para baixo da projeção da Comissão Europeia para o crescimento da economia da zona do euro em 2020. A exceção foi a Bolsa de Milão, favorecida pela surpresa positiva com um dado industrial da Itália. O índice pan-europeu Stoxx 600 teve queda de 0,20%, para os 387,15 pontos.
Em seu relatório trimestral sobre as perspectivas para a economia da Europa, a Comissão Europeia reduziu suas projeções para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro em 2020 de 1,5% para 1,4%, ainda que tenha mantido as expectativas inalteradas para este ano em 1,2%.
No entanto, a Comissão advertiu que o crescimento econômico poderia ser ainda mais lento tanto neste ano quanto em 2020 se os Estados Unidos e a China impuserem tarifas adicionais a produtos um do outro.
A expectativa de crescimento da Alemanha em 2020 caiu de 1,5% para 1,4%, exatamente como a projeção de expansão da França no próximo ano, também cortada de 1,5% para 1,4%. A previsão de crescimento da Espanha, contudo, foi elevada de 2,1% para 2,3% em 2020.
O que segurou o tranco na Itália foi a sua produção industrial, que apresentou recuperação em maio ao subir 0,9% em relação a abril, de acordo com o instituto Istat. O resultado superou a projeção de analistas consultados pela Trading Economics, cujas expectativas eram de alta de apenas 0,1% do indicador. Em abril, a produção da indústria italiana havia registrado queda de 0,8% na comparação com março.
Assim, a Bolsa de Milão encerrou em alta de 0,73%, aos 22.044,96 pontos. Na França, também houve surpresa positiva com dados industriais, mas a Bolsa de Paris recuou 0,08%, para os 5.567,59 pontos. Foi a mesma variação negativa da Bolsa de Londres, que desceu para os 7.530,69 pontos.
Nem a leitura, transparecida nas aberturas em alta em Wall Street, de que o depoimento do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Jerome Powell, cristalizou a aposta em um corte da taxa de juros americana tirou os índices europeus do vermelho.
Em Frankfurt, o DAX 30 cedeu 0,51%, para os 12.373,41 pontos, enquanto o Ibex 35, de Madri, caiu 0,23%, aos 9.252,90 pontos, e o PSI 20, de Lisboa, ficou praticamente estável, recuando 0,01%, aos 5.153,06 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia