Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de julho de 2019.
Feriado em São Paulo - Revolução Constitucionalista.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

09/07/2019 - 17h54min. Alterada em 09/07 às 17h54min

Ouro fecha estável em meio a especulações sobre Fed

Metal encerrou com cotação de US$ 1.400,50 por onça-troy

Metal encerrou com cotação de US$ 1.400,50 por onça-troy


DON EMMERT/AFP/JC
Estadão Conteúdo
O contrato futuro do ouro fechou próximo à estabilidade na sessão desta terça-feira (9). Em dia marcado por falas de dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), investidores revisam suas expectativas para a taxa de juros dos Estados Unidos, influenciando a demanda por ouro.
O contrato futuro do ouro fechou próximo à estabilidade na sessão desta terça-feira (9). Em dia marcado por falas de dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), investidores revisam suas expectativas para a taxa de juros dos Estados Unidos, influenciando a demanda por ouro.
O ouro para agosto na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), avançou 0,03% para US$ 1.400,50 por onça-troy, apenas US$ 0,50 acima do fechamento anterior.
Ao longo da manhã desta terça, houve discursos do presidente do Fed, Jerome Powell, e dos dirigentes que comandam as distritais de St. Louis, Atlanta e Filadélfia. Ainda assim, pouco foi dito sobre os rumos da política monetária, com a exceção de Patrick Harker, da Filadélfia, que afirmou não ver necessidade de um corte de juros no momento. Os sinais mistos quanto à posição do Fed alimentam a busca por ativos seguros, o que beneficia o ouro, mas também impulsiona o dólar, encarecendo o metal precioso.
A analista Ipek Ozkardeskaya, do London Capital Group, explica que o ouro está sujeito a duas forças: "de um lado, as revisões das projeções para ativos de risco estimulam a entrada de capital no mercado de ouro; de outro, a recuperação do dólar incentiva vendedores do metal a manter suas posições". Para a economista, "a marca de US$ 1,4 mil é onde compradores e vendedores estão lutando por um grama de ouro".
Já o analista de metais do Commerzbank Daniel Briesemann identifica a realização de lucros como um fator que manteve o ouro estável nas últimas sessões, após o rali recente dos preços do metal precioso. "Em qualquer movimento de valorização de um ativo, é natural que os lucros sejam recolhidos em algum momento", explica. Briesemann avalia, ainda, que as tensões geopolíticas e a tendência dos bancos centrais ao afrouxamento monetário deve continuar valorizando o metal precioso no curto prazo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia