Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de julho de 2019.
Feriado em São Paulo - Revolução Constitucionalista.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

MERCADO FINANCEIRO

09/07/2019 - 14h01min. Alterada em 09/07 às 14h01min

Bolsas da Europa fecham em baixa, de olho em alerta da Basf e Deutsche Bank

Estadão Conteúdo
As principais bolsas da Europa encerraram a sessão desta terça-feira, 9, em baixa. Os pregões europeus operaram no negativo na maior parte do dia, na esteira de um alerta de lucros emitido pela Basf que teve repercussões no setor químico europeu. Além disso, o mau desempenho das ações do Deutsche Bank nesta terça-feira impactou negativamente o segmento bancário do continente.
As principais bolsas da Europa encerraram a sessão desta terça-feira, 9, em baixa. Os pregões europeus operaram no negativo na maior parte do dia, na esteira de um alerta de lucros emitido pela Basf que teve repercussões no setor químico europeu. Além disso, o mau desempenho das ações do Deutsche Bank nesta terça-feira impactou negativamente o segmento bancário do continente.
O índice pan-europeu Stoxx 600 recuou 0,51%, para 387,92 pontos. O subíndice Stoxx 600 Financials, específico das empresas de serviços financeiros, teve queda de 0,42%.
A Basf, maior companhia química do planeta, emitiu um alerta de resultados no qual projeta lucro para o segundo trimestre de aproximadamente 500 milhões de euros, mais de 60% abaixo das expectativas do mercado. O comunicado pressionou os papéis da Basf, que recuaram 3,32%, e puxou outras empresas do setor químico, como Covestro (-3,10%) e Fresenius (-3,42%). Em Frankfurt, o índice DAX teve queda de 0,85%, a 12.436,55 pontos.
O Deutsche Bank foi outro driver negativo das bolsas europeias, voltando a empurrar o setor bancário para baixo após o anúncio de reestruturação de suas atividades, incluindo a contração da área de investimentos e a extinção de 18 mil cargos. Em Milão, o índice FTSE MIB caiu 0,41%, a 21.886,17 pontos, com perda expressiva dos bancos UBI (-1,05%), BPM (-0,94%), Intesa Sanpaolo (-0,55%) e FinecoBank (-1,89%).
Outro fator que tem pesado sobre os pregões europeus nas últimas sessões é a incerteza quanto ao possível corte de juros do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) em julho. Em discurso durante evento em Boston nesta terça, o presidente do Fed, Jerome Powell, não falou sobre política monetária. Outros dirigentes do Fed também falaram ao longo da manhã, mas não ajudaram a esclarecer a perspectiva dos juros aos investidores. Presidente do Fed da Filadélfia, Patrick Harker disse em entrevista ao Wall Street Journal que não vê necessidade de um corte nos juros, no quadro atual.
Em Londres, o setor de mineração pesou sobre o índice FTSE 100, que recuou 0,17%, a 7.536,47 pontos. A baixa expressiva do cobre nesta terça-feira pressionou as mineradoras Antofagasta (-3,83%), Glencore (-2,88%), Anglo American (-1,62%) e BHP (-0,87%), mas as perdas foram parcialmente limitadas pela alta do grupo de supermercados Ocado (+5,64%). O índice da bolsa de Paris CAC 40, por sua vez, teve queda de 0,31%, a 5.572,10 pontos.
Em Madri, o índice Ibex 35 recuou 0,12% para 9.273,90 pontos. Já na bolsa de Lisboa, o índice PSI 20 fechou com baixa de 0,40%, a 5.153,75 pontos. Com informações da Dow Jones Newswires.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia