Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 05 de julho de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

MERCADO FINANCEIRO

05/07/2019 - 14h32min. Alterada em 05/07 às 14h32min

Bolsas da Europa fecham em baixa com recuo nas apostas de corte nos juros do Fed

Estadão Conteúdo
Os mercados acionários europeus fecharam em queda nesta sexta-feira, 5, em meio a recuos nas apostas de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) fará um corte de 50 pontos-base (pb) nas taxas básica de juros dos Estados Unidos, movimento verificado após a divulgação do relatório de emprego do país. O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o pregão em queda de 0,69%, aos 388,30 pontos. Na variação semanal, no entanto, houve alta de 0,89%.
Os mercados acionários europeus fecharam em queda nesta sexta-feira, 5, em meio a recuos nas apostas de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) fará um corte de 50 pontos-base (pb) nas taxas básica de juros dos Estados Unidos, movimento verificado após a divulgação do relatório de emprego do país. O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o pregão em queda de 0,69%, aos 388,30 pontos. Na variação semanal, no entanto, houve alta de 0,89%.
Recuaram as apostas de um corte de 50 pontos-base nos juros americanos já na próxima reunião de política monetária dos EUA, marcada para 31 de julho, após a divulgação do relatório de emprego americano, que apontou criação de 224 mil vagas no país, número bastante superior às expectativas.
Às 12h45 (de Brasília), 1,8% dos contratos monitorados pelo CME Group acreditava no corte supracitado - na quinta-feira, o porcentual era de 29,2%. Na mesma marcação, 98,2% dos contratos acreditam que o corte será de 25 pontos-base, enquanto não havia apostas de manutenção das taxas de juros.
Em meio ao cenário de possibilidade de afrouxamento monetário mais fraco que o esperado, o índice FTSE 100, da Bolsa de Londres, recuou 0,66%, para 7.553,14 pontos. Na comparação semanal, porém, houve alta de 1,71%. Foram verificadas perdas em empresas de mineração como a Rio Tinto, que caiu 3,83%, e a BHP Group, que perdeu 2,75%.
Na Bolsa de Frankfurt, o índice DAX 30 cedeu 0,49%, para 12.568,53 pontos, com variação positiva de 1,37% na semana. Ajudou na pressão sobre o mercado acionário local, desde a abertura, a notícia de que as encomendas à indústria da Alemanha sofreram queda de 2,2% em maio ante abril, segundo dados com ajustes sazonais divulgados nesta sexta pela agência de estatísticas do país, a Destatis. O resultado ficou bem abaixo da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam recuo de 0,3% nas encomendas. Por lá, a Volkswagen perdeu 0,29% e a Daimler baixou 0,09%.
Ainda no setor automotivo, a Fiat Chrysler recuou 0,38% na Bolsa de Milão, onde o índice FTSE MIB se depreciou em 0,61%, para 21.985,79 pontos. Na semana, contudo, houve alta de 3,53%, devido a pregões de ganhos após o anúncio de que a Comissão Europeia desistiu de aplicar sanções à Itália por má gestão fiscal.
Em Paris, o índice CAC 40 se depreciou em 0,48%, aos 5.593,72 pontos. Na variação semanal, houve avanço de 0,99%.
Seguindo o movimento de baixa verificado nas principais bolsas europeias, o índice PSI 20, da Bolsa de Lisboa, perdeu 0,33%, para 5.192,74 pontos - com avanço de 1,07% na semana -, enquanto o índice Ibex 35, da Bolsa de Madri, encerrou o pregão em baixa de 0,70%, aos 9.335,00 pontos, com variação semanal positiva de 1,48%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia