Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 03 de julho de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria automotiva

03/07/2019 - 15h13min. Alterada em 03/07 às 15h13min

Emplacamento de carros importados cai 9,6% no semestre

Emplacamentos somaram 16.219 veículos

Emplacamentos somaram 16.219 veículos


JONATHAN HECKLER/JC
Estadão Conteúdo
O emplacamento de carros importados caiu 9,6% no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período de 2018, totalizando 16.219 veículos. Com isso, a Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores (Abeifa) revisou a estimativa de vendas desse tipo de carro para o ano, de 50 mil para 40 mil unidades.
O emplacamento de carros importados caiu 9,6% no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período de 2018, totalizando 16.219 veículos. Com isso, a Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores (Abeifa) revisou a estimativa de vendas desse tipo de carro para o ano, de 50 mil para 40 mil unidades.
No recorte de junho, a queda foi ainda maior, de 13,4% ante maio e de 11,1% na comparação anual. Ao todo, foram emplacados no mês passado 2.679 veículos.
Por outro lado, as quatro montadoras associadas à Abeifa que produzem internamente - BMW, Caoa Cherry, Land Rover e Suzuki - tiveram crescimento de 44,1% nas vendas no semestre, na comparação com igual período de 2018, totalizando 14.527 unidades. As projeções de venda nesse segmento específico, de 55 mil veículos em 2019, ficam mantidas.
O presidente da associação, José Luiz Gandini, afirmou que a queda recente no dólar ajuda o setor, mas ponderou que os carros que já estão nos navios, a caminho do Brasil, foram comprados com o câmbio desvalorizado. E reclamou da instabilidade atual. "Cada dia um fala uma coisa, outro fala outra, mercado e câmbio ficam instáveis", apontou. Para ele, a aprovação das reformas da Previdência e tributária ajudaria a melhorar o ambiente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia