Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 26 de junho de 2019.
Dia Internacional de Combate às Drogas.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

energia

Edição impressa de 26/06/2019. Alterada em 26/06 às 03h00min

Consumo de energia cresce 2,6% em junho

Ambiente cativo registrou elevação de 0,8% sobre o ano passado

Ambiente cativo registrou elevação de 0,8% sobre o ano passado


/EDP/DIVULGAÇÃO/JC
Dados preliminares de medição dos valores médios coletados entre os dias 1 e 15 de junho indicam um crescimento do consumo de energia de 2,6%, alcançando 60.380 MW médios frente aos 58.834 MW médios no mesmo período do ano passado. As informações são da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), que traz dados prévios de geração e consumo de energia, além da posição contratual líquida atual dos consumidores livres e especiais.
Dados preliminares de medição dos valores médios coletados entre os dias 1 e 15 de junho indicam um crescimento do consumo de energia de 2,6%, alcançando 60.380 MW médios frente aos 58.834 MW médios no mesmo período do ano passado. As informações são da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), que traz dados prévios de geração e consumo de energia, além da posição contratual líquida atual dos consumidores livres e especiais.
O Ambiente de Contratação Regulada (ACR - cativo), no qual os consumidores são atendidos pelas distribuidoras (onde estão inseridos os consumidores residenciais, comerciais, industriais, rurais, serviços, iluminação pública e outros), apresentou crescimento no consumo de 0,8% em relação a junho de 2018, considerando a mudança de clientes cativos para o Ambiente de Contratação Livre (ACL). Excluindo o impacto das migrações, o ACR registraria aumento de 2,6%. Já no ACL, no qual as empresas compram energia diretamente dos fornecedores (como consumidores de atividade industrial/comercial/serviços), o consumo apresentou crescimento de 6,7% em relação ao mesmo período do ano passado. 
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia