Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 25 de junho de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria

25/06/2019 - 15h15min. Alterada em 25/06 às 15h15min

Confiança da indústria gaúcha chega a menor nível desde outubro

Fiergs destaca, contudo, que ICEI/RS segue em terreno otimista, acima dos 50 pontos

Fiergs destaca, contudo, que ICEI/RS segue em terreno otimista, acima dos 50 pontos


FREDY VIEIRA/JC
O Índice de Confiança do Empresário Industrial gaúcho (ICEI/RS) caiu de 57,7 pontos para 55,8, entre maio e junho, alcançando o menor nível desde outubro do ano passado. O indicador, divulgado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs) nessa terça-feira (25), acumula uma retração de 11 pontos nos últimos cinco meses.
O Índice de Confiança do Empresário Industrial gaúcho (ICEI/RS) caiu de 57,7 pontos para 55,8, entre maio e junho, alcançando o menor nível desde outubro do ano passado. O indicador, divulgado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs) nessa terça-feira (25), acumula uma retração de 11 pontos nos últimos cinco meses.
Ainda assim, a Fiergs destaca que, apesar de diminuído, o sentimento positivo se mantém, pois o indicador varia de 0 a 100, e valores acima de 50 indicam otimismo.
"A frustração com a desaceleração da economia brasileira, o cenário externo adverso e incertezas políticas resumem o que levou a uma redução da confiança nos últimos meses", observa o presidente da entidade, Gilberto Porcello Petry.
Em nota, a Fiergs ressalta que as ações do novo governo - que incluem medidas como a reforma da Previdência para conter os gastos públicos, "ainda não surtiram os efeitos esperados de levar a uma retomada mais intensa do setor, que segue com a ociosidade elevada".
O ICEI-RS é obtido a partir da avaliação dos industriais gaúchos em relação às tendências atual e futura da economia e das empresas.
Em junho, ante maio, todos seus componentes caíram e estão em seus menores níveis desde outubro de 2018. Ao retroceder 2,4 pontos, o Índice de Condições Atuais (ICA), por exemplo, baixou dos 50 (atingiu 48 pontos), sinalizando piora após sete meses seguidos de avaliações positivas. São 10,3 pontos perdidos em quatro meses. O Índice de Condições Atuais da Economia Brasileira (ICA-EB) recuou de 48,2, em maio, para 46,6, em junho. Já o Índice de Condições Atuais das Empresas (ICA-E) caiu com mais força (três pontos) no período, chegando a 48,6.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia