Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 24 de junho de 2019.
Dia da Indústria Gráfica.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 24/06 às 11h03min

Dólar vira e sobe com demanda defensiva antes de agenda forte de terça-feira

Estadão Conteúdo
O dólar começou a sessão desta segunda-feira (24) em baixa e, pouco antes do fechamento deste texto, passou a subir ante o real em meio à redução da queda do índice de dólar no exterior. Na máxima, o dólar à vista registrou R$ 3,8376 (+0,32%) ante mínima aos R$ 3,8076 (-0,46%) mais cedo. Às 10h44min, a moeda subia 0,11%, a R$ 3,8294. 
O dólar começou a sessão desta segunda-feira (24) em baixa e, pouco antes do fechamento deste texto, passou a subir ante o real em meio à redução da queda do índice de dólar no exterior. Na máxima, o dólar à vista registrou R$ 3,8376 (+0,32%) ante mínima aos R$ 3,8076 (-0,46%) mais cedo. Às 10h44min, a moeda subia 0,11%, a R$ 3,8294. 
O dólar futuro para julho subiu até R$ 3,8390 (+0,37%) , ante mínima mais cedo em R$ 3,8090 (-0,42%) Importadores, algumas tesourarias de bancos e investidores estrangeiros recompõem posições defensivas após a moeda ter rondado os R$ 3,80 nas mínimas, segundo Jefferson Rugik, diretor superintendente da Correparti.
A demanda se justificaria pela agenda semanal pesada.
Na terça-feira, para ter ideia, haverá discurso do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, e também são esperados a ata do encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) da semana passada, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) de junho e a retomada dos debates da reforma da Previdência, na Comissão Especial da Câmara, além do julgamento de habeas corpus impetrado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Supremo Tribunal Federal (STF).
COMENTAR| CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia