Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de junho de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR| CORRIGIR

Comércio exterior

Alterada em 17/06 às 15h59min

Balança tem superávit de US$ 1,219 bilhão na segunda semana de junho

Em junho, superávit acumulado é de US$ 2,339 bilhões; no ano, o saldo positivo é de US$ 24,45 bilhões

Em junho, superávit acumulado é de US$ 2,339 bilhões; no ano, o saldo positivo é de US$ 24,45 bilhões


ABICALÇADOS/DIVULGAÇÃO/JC
Estadão Conteúdo
A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 1,219 bilhão na segunda semana de junho. De acordo com dados divulgados pela Secretaria de Indústria, Comércio Exterior e Serviços do Ministério da Economia, o valor foi alcançado com exportações de US$ 4,522 bilhões e importações de US$ 3,303 bilhões.
A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 1,219 bilhão na segunda semana de junho. De acordo com dados divulgados pela Secretaria de Indústria, Comércio Exterior e Serviços do Ministério da Economia, o valor foi alcançado com exportações de US$ 4,522 bilhões e importações de US$ 3,303 bilhões.
Em junho, o superávit acumulado é de US$ 2,339 bilhões. Já no total do ano, o superávit é de US$ 24,45 bilhões.
No mês, houve queda de 4,78% na média diária das exportações na comparação com junho do último ano, passando de US$ 957,812 milhões para US$ 912,062 milhões. No período, houve aumento nas vendas em Produtos Básicos (8,37%) e recuo nos envios para o exterior em Produtos Semimanufaturados (-15,17%) e Produtos Manufaturados (-11,76%).
Já as importações registraram queda de 0,58% na média diária em igual comparação. Elas saíram de US$ 682,136 milhões para US$ 678,146 milhões. As maiores altas no período foram de Aeronaves e peças (85,61%), Leite e derivados (39,43%) e Produtos diversos de indústrias químicas (14,46%). Enquanto isso, as maiores quedas foram: Algodão (-51,8%), Cobre e suas obras (-36,49%) e Veículos automóveis e partes (-30,47%).
COMENTAR| CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia