Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de junho de 2019.
Dia Mundial do Doador de Sangue.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado financeiro

Alterada em 14/06 às 14h02min

Bolsas da Europa fecham em queda com tensões geopolíticas e comerciais renovadas

Estadão Conteúdo
Os mercados acionários europeus fecharam em queda nesta sexta-feira (14), com as tensões geopolíticas renovadas após os ataques contra dois navios petroleiros no Golfo do Omã. A guerra comercial também ganhou novo capítulo, desde que a China anunciou a elevação de tarifas a produtos americanos e europeus. O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o pregão em baixa de 0,39%, aos 378,50 pontos. Na comparação semanal, a variação foi de 0,27%.
Nessa quinta-feira (13), duas embarcações de petróleo - uma japonesa e uma norueguesa - foram atacadas no Oriente Médio, o que tem fortalecido as cotações da commodity. O presidente americano, Donald Trump, diz ter certeza de que o Irã é o responsável pelo ataque, o que é negado pelo país persa, aumentando as tensões geopolíticas. Pelo lado comercial, os investidores renovaram a aversão a risco com o anúncio de que a China elevará de 57,9% para 147,8% as tarifas antidumping contra tubos e canos de aço dos EUA e da União Europeia.
Reagindo ao cenário macroeconômico, o índice FTSE 100, da Bolsa de Londres, fechou em baixa de 0,31%, aos 7.345,78 pontos, com pressões sobre o setor bancário: o Royal Bank of Scotland perdeu 1,07%, e Lloyds Banking, 0,60%.
No Reino Unido, ainda há cautela com o caminhar do Brexit, que dialoga com a possível eleição de Boris Johnson para o cargo de primeiro-ministro. O integrante do Partido Conservador defende a saída da UE em outubro, com ou sem acordo. Na comparação semana, o índice FTSE 100 subiu 0,19%.
Os bancos também foram pressionados em Milão, em cuja bolsa o índice FTSE MIB perdeu 0,09%. Na comparação semanal, no entanto, houve alta de 1,24%. Já o UBI Banca caiu 1,62%, e o Sanpaolo, 0,25%.
Na Bolsa de Frankfurt, o índice Dax 30 caiu 0,60%, para 12.096,40 pontos, mas o avanço foi de 0,42% na comparação semanal. Por lá, o Deutsche Bank recuou 1,25%. Houve, também, quedas entre as montadoras, com a Daimler cedendo 1,57% e a Volkswagen 1,09%.
Outra empresa importante do setor de veículos, a Peugeot perdeu 0,86% em Paris, onde o índice CAC 40 encerrou em baixa de 0,15%, aos 5.367,62 pontos, com variação positiva de 0,07% na comparação semanal. A principal queda verificada, no entanto, se deu na tech STMicroelectronics, que perdeu 3,22%.
O índice Ibex 35, da Bolsa de Madri, caiu 0,57%, aos 9.194,20 pontos, enquanto o PSI 20, de Lisboa, recuou 1,23%, aos 5.130,35, com o Banco Comercial fechando em queda de 2,69%. Na variação semanal, Madri perdeu 0,45% e Lisboa, 0,23%.
CORRIGIR