Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de junho de 2019.
Dia do Turismo / Turista.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Petróleo

13/06/2019 - 09h22min. Alterada em 13/06 às 09h22min

Petróleo se mantém em forte alta com suposto ataque a dois navios no Golfo de Omã

Comando Central de Forças Navais dos EUA recebeu dois pedidos de socorro

Comando Central de Forças Navais dos EUA recebeu dois pedidos de socorro


FP PHOTO/HO/IRIB/JC
Estadão Conteúdo
Dois navios petroleiros foram danificados num suposto ataque no Golfo de Omã, na costa do Irã, nesta quinta-feira (13), segundo autoridades japonesas e operadores de navios. A notícia, que mais cedo foi descrita como "um incidente envolvendo uma explosão" na região, dá forte impulso aos preços do petróleo desde a madrugada.
O Comando Central de Forças Navais dos EUA em Bahrein, que supervisiona operações navais americanas na área, recebeu dois pedidos de socorro relativos a ataques a petroleiros, segundo comunicado da entidade. Um destroier americano está prestando assistência aos navios.
As tensões entre EUA e Irã se agravaram desde que quatro embarcações foram alvos de um ataque no Golfo de Omã no mês passado. O episódio desta quinta acontece num momento em que o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, faz uma visita oficial ao Irã.
Às 7h40min (de Brasília), o barril do petróleo tipo Brent para entrega em agosto subia 3,45% na ICE, a US$ 62,04, depois de chegar a ser negociado mais cedo a US$ 62,64, com alta de mais de 4%. Já o barril do WTÏ para julho avançava 2,97% na Nymex, a US$ 52,66.
Nessa quarta-feira (12), os futuros de petróleo sofreram tombos de 3,7% a 4%, em reação a um inesperado aumento nos estoques de petróleo bruto dos EUA na semana passada, de cerca de 2 milhões de barris, apontado em pesquisa do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) norte-americano.
CORRIGIR