Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de junho de 2019.
Dia dos Namorados.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

mercado financeiro

12/06/2019 - 10h09min. Alterada em 12/06 às 10h09min

Dólar à vista mostra viés de alta antes de CPI dos EUA

Estadão Conteúdo
O dólar no mercado à vista opera em linha com o viés de alta da moeda americana no exterior frente seus pares principais e divisas de países emergentes exportadores de matérias-primas em meio à cautela com a retórica mais dura na briga comercial entre Estados Unidos e China. Além disso, investidores aguardam os últimos dados de inflação (CPI) dos EUA (divulgação prevista para 9h30min), uma vez que os mesmos influenciam fortemente a política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano).
Nessa terça-feira (11), o presidente americano Donald Trump voltou a reclamar da taxa de juros nos Estados Unidos, novamente afirmando que o Federal Reserve a manteria muito "alta". Além disso, disse que o euro e outras moedas estariam desvalorizadas em relação ao dólar, o que coloca seu país em "grande desvantagem" na arena comercial. Nesta quarta-feira, às 10h o dólar subia 0,15%, a R$ 3,8556.
Mais cedo, a libra esterlina se fortaleceu após o ex-prefeito de Londres Boris Johnson dizer que não pretende buscar um Brexit sem acordo, embora tenha ressaltado que os britânicos precisam se preparar para esse eventual resultado. Ele disse também que o Reino Unido deve deixar a União Europeia em 31 de outubro e mostrou confiança de que o bloco está disposto a voltar a negociar com o governo britânico sobre o Brexit. Johnson é visto como o favorito na corrida para assumir a liderança do Partido Conservador britânico e, consequentemente, suceder a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May.
Investidores apenas monitoram as vendas do comércio varejista, que caíram 0,6% em abril ante março, na série com ajuste sazonal, segundo o IBGE. O resultado veio abaixo da mediana das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que era negativa em 0,2%. O intervalo das previsões ia de queda de 1,0% a avanço de 0,6%.
Na comparação com abril de 2018, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram alta de 1,7% em abril de 2019. Nesse confronto, as projeções iam de uma elevação de 0,5% a 4,8%, com mediana positiva de 2,6%. As vendas do varejo restrito acumularam crescimento de 0,6% no ano. No acumulado em 12 meses, houve avanço de 1,4%.
 
CORRIGIR