Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de junho de 2019.
Dia dos Namorados.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

turismo

Edição impressa de 12/06/2019. Alterada em 11/06 às 21h24min

Programa quer capacitar e promover turismo gaúcho

Iniciativa vai buscar a valorização da gastronomia regional, diz Amanda

Iniciativa vai buscar a valorização da gastronomia regional, diz Amanda


/MARCELO G. RIBEIRO/JC
Guilherme Daroit
Lançado em maio pelo governo federal, o programa Investe Turismo começa a caminhar em solo gaúcho. Operacionalizado pelo Sebrae, o projeto, com recursos de R$ 200 milhões para todo o País, tem como objetivo capacitar empresas que já atuam com o setor e, principalmente, promover os destinos escolhidos. No Estado, são 12 os municípios contemplados, a maior parte deles já com ações de seleção dos estabelecimentos que farão parte da iniciativa.
O programa é uma parceria entre União, Sebrae e a Embratur, e contemplará 158 municípios brasileiros. No Rio Grande do Sul, foram selecionados Porto Alegre, Gramado, Canela, São Francisco de Paula, Nova Petrópolis, Caxias do Sul, Bento Gonçalves, Garibaldi, São José dos Ausentes, Cambará do Sul, São Miguel das Missões e Jaquirana. A organização do programa no Estado tem visitado os municípios para apresentação do programa a empresas, preparando o terreno para a largada oficial no Rio Grande do Sul, em 1 de julho.
"Sebrae não existe para promoção, mas estamos nos desafiando a isso. É a oportunidade de uma pauta positiva em um momento de dificuldades de recursos do Estado e de prefeituras", comentou a coordenadora estadual de Economia Criativa e Turismo do Sebrae gaúcho, Amanda Paim, durante a apresentação do projeto às empresas de Porto Alegre. O projeto será executado por um período de 18 meses, indo, portanto, até o fim do ano que vem.
Um dos primeiros trabalhos, com previsão de conclusão ainda para 2019, é um trabalho de inteligência sobre o fluxo de turistas dos 12 destinos escolhidos. "Vamos descobrir de onde os turistas vêm, quanto tempo ficam, o que fazem, e aí fazer a promoção", comenta Amanda, que ressalta o fato de que, atualmente, ninguém possui um retrato fidedigno quanto aos maiores emissores de turistas para o Estado.
Depois, será trabalhada a qualificação das empresas, com consultorias e aulas de marketing digital, além de 11 missões técnicas nacionais para intercâmbio entre as empresas de diferentes regiões. Um projeto especial será trabalhado com São Miguel das Missões. Um outro trabalho, batizado de Janelas do RS, levará quiosques com informações sobre os 12 destinos a pontos de grande fluxo, como a Rua Coberta, em Gramado; e a Orla do Guaíba, na Capital. A ideia, depois da pesquisa de fluxo, é levar os quiosques também àqueles que forem identificados como os grandes emissores nacionais de turistas para o Estado.
Será feita a prospecção de novos mercados, trabalhando com influenciadores e promotores de eventos, especialmente de cultura e esportes. Amanda conta que o programa buscará a valorização da gastronomia regional, pois pesquisas mostram que experiências gastronômicas são o segundo maior motivo para viagens.
Em Porto Alegre, o encontro de apresentação do projeto às empresas foi realizado ontem. Ao todo, serão escolhidas de 15 a 20 empresas na Capital, abrangendo restaurantes, receptivos, hotéis e transportadores. Representando a prefeitura, o secretário municipal do Desenvolvimento Econômico, Eduardo Cidade, afirmou que uma das metas da pasta é modificar o quadro atual do turismo em Porto Alegre, deixando de ser apenas um ponto de passagem para turistas que vão à Serra. "Precisamos manter essas pessoas aqui mais tempo", afirmou.
CORRIGIR