Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de junho de 2019.
Dia da Liberdade de Imprensa.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 07/06 às 07h57min

Bolsas asiáticas fecham em alta com sinais positivos de comércio e juros

Estadão Conteúdo
As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam em alta nesta sexta-feira (7), após sinais de avanço nas negociações entre Estados Unidos e México sobre tarifas e imigração e a decisão do Banco Central Europeu (BCE) de adiar uma possível elevação de juros para até pelo menos a segunda metade do ano que vem.
O Nikkei subiu 0,53% em Tóquio nesta sexta, a 20.884,71 pontos, impulsionado por ações de fabricantes de eletrônicos e corretoras. Ao longo da semana, o índice japonês acumulou valorização de 1,38%.
Em Seul, o sul-coreano Kospi avançou 0,16% numa recuperação que veio no fim do pregão, a 2.072,33 pontos, um dia depois de não operar devido a um feriado nacional. Com isso, o Kospi avançou 1,5% na semana, interrompendo uma sequência de quatro semanas no vermelho.
Já na China, em Hong Kong e em Taiwan, não houve negócios hoje em função de um feriado.
Surgiram relatos nessa quinta-feira (6) de que os EUA poderão adiar tarifas contra o México, que entrariam em vigor nesta segunda-feira (10), enquanto autoridades dos dois países ainda negociam sobre a crise migratória na região. Recentemente, o presidente americano, Donald Trump, ameaçou impor tarifas a todos os produtos mexicanos se o governo do México não resolver a questão da imigração ilegal. As discussões comerciais entre EUA e China, por outro lado, permanecem num impasse.
Também ontem, o BCE anunciou que pretende manter suas taxas de juros nos atuais níveis ultrabaixos até ao menos o fim do primeiro semestre de 2020, e não mais até o fim deste ano. A sinalização da autoridade monetária europeia veio em meio a crescentes apostas de que o Federal Reserve (Fed, o BC americano) terá de cortar juros nos próximos meses para compensar os efeitos das tensões comerciais globais que têm o presidente Trump como protagonista.
Na Oceania, a bolsa australiana teve alta de 0,95% nesta sexta, com o S&P/ASX 200 a 6.443,90 pontos, graças ao bom desempenho de ações de petrolíferas - beneficiadas pela recuperação do petróleo nessa quinta - e de mineradoras. Na semana, o índice acionário negociado em Sydney assegurou ganho de 0,70%. 
CORRIGIR