Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de junho de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Telecomunicações

Alterada em 04/06 às 16h55min

Investimentos de R$ 7 bilhões previstos para 2019 estão mantidos, diz Oi

Aportes não dependem da aprovação do PLC 79 pelo Congresso, segundo diretor comercial

Aportes não dependem da aprovação do PLC 79 pelo Congresso, segundo diretor comercial


OI/DIVULGAÇÃO/JC
Estadão Conteúdo
O diretor comercial da Oi, Bernardo Kos Winik, reiterou a meta da operadora de atingir R$ 7 bilhões em investimentos em 2019 e salientou que esses aportes não dependem da aprovação do PLC 79 pelo Congresso. O projeto de lei muda o marco regulatório do setor, permitindo a troca de despesas das operadoras com o cumprimento de obrigações regulatórias - como manutenção de orelhões, por exemplo - por investimentos na expansão de banda larga.
"Os investimentos estão mantidos", frisou Winik. "A aprovação do PLC 79 já deveria ter acontecido, e temos muita esperança de que aconteça neste ano", completou.
Em relação ao leilão das faixas de frequência de 5G, previsto para ocorrer no começo de 2020, Winik não confirmou a participação da operadora. "Ainda não sabemos as regras do leilão. Obviamente, vamos estudar as regras assim que forem definidas. Como há muita indefinição, não temos posição para compartilhar agora", ponderou.
Durante entrevista coletiva, Winik também respondeu sobre a disputa global entre Estados Unidos e China, com restrição às operações da Huawei, fabricante chinesa de aparelhos e equipamentos de telecomunicações. No Brasil, a Huawei atende todas as grandes operadoras.
"Acompanhamos com preocupação a disputa. Mas nossa arquitetura de rede é construída de forma a não dependermos de um único fornecedor, inclusive com redundância de sistemas e fornecedores", explicou Winik, minimizando perspectiva de impacto nas operações da companhia.
A Oi mantém parceria com Huawei, Nokia e outros.
CORRIGIR