Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 03 de junho de 2019.
Dia Mundial do Administrador de Pessoal.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 03/06 às 11h23min

PMI industrial cai em maio para menor nível em 11 meses, mostra IHS Markit

Resultado representa o menor nível nos últimos 11 meses

Resultado representa o menor nível nos últimos 11 meses


MARCO QUINTANA/JC
Estadão Conteúdo
O Índice de gerente de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial do Brasil caiu de 51,5 em abril para 50,2 em maio, informou a IHS Markit nesta segunda-feira (3). O resultado representa o menor nível nos últimos 11 meses, quando o índice superou a marca 50,0, ponto neutro em relação à evolução do cenário.
A IHS Markit constatou um ritmo mais brando de expansão da atividade, declínio renovado no volume de vendas e cortes de postos de trabalho.
"A desaceleração se juntou a pressões inflacionárias intensificadas, com as cargas de custos e os preços de venda aumentando a taxas mais rápidas. Ao mesmo tempo, o sentimento em relação aos negócios se enfraqueceu atingindo o seu ponto mais baixo em mais de um ano e meio", explica a consultoria em relatório.
A economista Pollyanna de Lima, da IHS Markit, relata que o setor industrial brasileiro caminha para uma estagnação na metade do segundo trimestre, a partir do cenário político mais incerto e preocupante, desemprego ainda elevado, menor otimismo entre os agentes e dificuldades econômicas em importantes parceiros comerciais do Brasil.
"O volume de produção cresceu marginalmente apenas, e da maneira menos significativa desde a eleição do ano passado, com os pedidos de fábrica caindo em território de contração. As exportações caíram pelo sexto mês consecutivo, apesar da queda acelerada do real em relação ao dólar americano em maio", relata a economista.
Em relação às perspectivas para o setor, as empresas seguem otimistas com o horizonte de crescimento, porém a percepção positiva perdeu força, marcando o menor nível em um ano e meio, destaca.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia