Porto Alegre, quarta-feira, 29 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 29 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Inovação

- Publicada em 22h16min, 27/05/2019. Atualizada em 09h51min, 28/05/2019.

Parceria formará grupos para aportes em startups

Tonolli Jr. (e) e Sandro Cortezia encaminharam a parceria na Serra

Tonolli Jr. (e) e Sandro Cortezia encaminharam a parceria na Serra


/CLAUDIA VELHO/UCS/DIVULGAÇÃO/JC
Roberto Hunoff, de Caxias do Sul
O Parque de Ciência, Tecnologia e Inovação da Universidade de Caxias do Sul (TecnoUCS) firmou parceria com a Ventiur, uma aceleradora de negócios com base em São Leopoldo, com o objetivo de potencializar a economia do Nordeste do Rio Grande do Sul. Por meio da formação de grupos de investidores, as organizações pretendem aportar recursos em startups que se mostrarem mais capacitadas a gerar negócios inovadores, em especial que venham a desenvolver soluções para demandas de empresas de Caxias do Sul e região.
O Parque de Ciência, Tecnologia e Inovação da Universidade de Caxias do Sul (TecnoUCS) firmou parceria com a Ventiur, uma aceleradora de negócios com base em São Leopoldo, com o objetivo de potencializar a economia do Nordeste do Rio Grande do Sul. Por meio da formação de grupos de investidores, as organizações pretendem aportar recursos em startups que se mostrarem mais capacitadas a gerar negócios inovadores, em especial que venham a desenvolver soluções para demandas de empresas de Caxias do Sul e região.
De acordo com o CEO da Ventiur, Sandro Cortezia, a estratégia considera quatro ciclos de captação de R$ 1 milhão cada, divididos em 80 cotas de R$ 50 mil, visando ao investimento total de R$ 4 milhões em 20 startups em até dois anos. A ideia é criar uma sociedade de investidores para o aporte de R$ 100 mil a R$ 200 mil em até cinco startups por ciclo.
A captação dos recursos é necessária para o início do ciclo, que é dividido em cinco fases - a primeira, no TecnoUCS, tem seu start programado para o início de junho. A prospecção ocorre por meio de uma chamada aberta para startups de qualquer parte do país. Após a etapa de avaliação do modelo de negócio, a pré-seleção definirá os 20 participantes do ciclo. "Neste projeto queremos que as startups também se conectem com a cadeia de valor das empresas da região", aponta Cortezia, salientando o enfoque no desenvolvimento regional que a parceria com o TecnoUCS implica.
Na etapa seguinte, as 20 selecionadas receberão acompanhamento e mentoria para a pré-aceleração do negócio, ao longo de dois meses, até a apresentação do empreendimento em um pitch-day para os investidores. Deste sairão as cinco escolhidas para receber o aporte de até R$ 200 mil cada, configurando a fase de investimento, a quinta e última do ciclo. As pré-aceleradas que não estiverem entre as eleitas podem participar do ciclo seguinte ou obter, à parte, investimento direto de algum investidor.
A saída do TecnoUCS e da Ventiur e a rentabilização dos investidores se dará após a consolidação do negócio. "O mais comum no meio é a startup crescer com aceleração e investimento e vir a ser vendida para outro player do mercado em até cinco anos", pontua Cortezia.
Dentre os benefícios do investimento em grupo, o executivo cita a diluição dos riscos. "É um investimento de risco, mas com retorno proporcional, ou seja, de potencial de ganho elevado. Portanto, aportar recursos em 20 startups minimiza o risco e, no modelo que propomos, a empresa ajuda a decidir em que negócio vale a pena investir", relata.
Primeira aceleradora do Rio Grande do Sul, criada em 2013, a Ventiur já é parceira do parque científico-tecnológico da UCS por meio da gestão de investimentos em startups geradas no programa de desenvolvimento de novos negócios StartUCS. O coordenador-executivo do parque tecnológico, Enor Tonolli Jr, ressalta a potencialização da atuação do programa StartUCS com o advento de uma aceleradora como parceira. "Tanto o parque científico-tecnológico como o programa StartUCS estão consolidados como ambientes de empreendedorismo e inovação. O passo seguinte, que estamos dando agora, é a captação de recursos para o fomento dos novos negócios. Cabe à aceleradora esse papel de atrair os investimentos necessários ao crescimento dos empreendimentos que, juntos, atuamos para desenvolver", explica.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO