Porto Alegre, quarta-feira, 29 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 29 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Petróleo

- Publicada em 14h03min, 27/05/2019. Atualizada em 14h02min, 27/05/2019.

Petrobras usa terminal privado para exportar petróleo no Porto do Açu

Pela primeira vez, a Petrobras utilizou um terminal privado para transbordo (passar petróleo de um navio para outro), em uma operação realizada no Porto do Açu, em São João da Barra, norte do Rio de Janeiro. O transbordo de petróleo para exportação foi realizado nos últimos dias 24 e 25, informou a Prumo Logística, que opera o Terminal de Petróleo (T-Oil) junto com a operadora Oiltanking.
Pela primeira vez, a Petrobras utilizou um terminal privado para transbordo (passar petróleo de um navio para outro), em uma operação realizada no Porto do Açu, em São João da Barra, norte do Rio de Janeiro. O transbordo de petróleo para exportação foi realizado nos últimos dias 24 e 25, informou a Prumo Logística, que opera o Terminal de Petróleo (T-Oil) junto com a operadora Oiltanking.
A Petrobras é uma das quatro clientes do T-Oil, que foi contratado também pela Shell, Equinor e Galp, e está funcionando desde 2016.
"Até hoje a Petrobras operava no Brasil somente em seus terminais próprios de Angra dos Reis e São Sebastião, para a exportação de petróleo. Somos o primeiro terminal privado do país a realizar operações para a petroleira e isso é motivo de muito orgulho para a Açu Petróleo", afirmou em nota o Victor Snabaitis Bomfim, presidente da Açu Petróleo.
"Os nossos diferenciais, como a localização estratégica, próximo as bacias de Santos e Campos, capacidade pera receber navios da classe VLCC e realizar transbordo em área abrigada, foram decisivos para firmar essa nova e promissora parceria", completou o executivo.
A primeira operação de transbordo da Petrobras em um porto privado brasileiro foi feita através de um navio Suemax, com a atracação das embarcações Henrique Dias (exportador) e Brasil 2014 (aliviador). A operação refere-se ao contrato firmado com a estatal em março deste ano, com duração inicial de 2 anos, informou a Prumo.
Comentários CORRIGIR TEXTO