Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de maio de 2019.
Dia Nacional do Café.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

24/05/2019 - 18h32min. Alterada em 24/05 às 18h32min

Ibovespa recua 0,30% no dia, mas encerra semana com ganho de 4,04%

Os setor financeiro teve queda com Itaú Unibanco PN (-1,49%) e Bradesco PN (-0,98%)

Os setor financeiro teve queda com Itaú Unibanco PN (-1,49%) e Bradesco PN (-0,98%)


SUAMY BEYDOUN /AGIF/FOLHAPRESS/JC
Estadão Conteúdo
O Índice Bovespa teve nesta sexta-feira (24), seu terceiro pregão consecutivo de baixa, mas nem por isso encerrou a semana com resultado negativo. O principal índice de ações da B3 chegou a subir mais de 1% pela manhã, mas perdeu fôlego à tarde e fechou em baixa de 0,30%, aos 93.627,80 pontos.
Acabou pesando, ainda que levemente, a cautela antes das manifestações pró-governo programadas para domingo, além do feriado nos Estados Unidos na segunda-feira, fator que reduz a liquidez nos mercados emergentes.
No acumulado da semana, o Ibovespa marcou ganho de 4,04% - o segundo melhor do ano -, obtido graças ao bom desempenho das ações na segunda-feira (+2,17%) e na terça (+2,76%).
Nesses dois pregões, prevaleceu a melhora da percepção do cenário político, com os sinais de maior comprometimento dos parlamentares com a pauta de votações e a tramitação da reforma da Previdência.
"O Congresso mostrou maior engajamento e as votações foram positivas para o governo. Com isso, houve queda do dólar e dos juros futuros e a semana acabou bem positiva para a Bolsa", disse Bruno Madruga, responsável pela área de renda variável da Monte Bravo Investimentos. Madruga atribuiu a leve baixa desta sexta à ausência de fatos novos e a uma precaução pontual antes das manifestações de domingo, "porque não se sabe o que vai acontecer".
Para Luiz Roberto Monteiro, analista da mesa institucional da Renascença Corretora, a alta do Ibovespa nesta semana não chega a justificar uma melhora de perspectiva para o índice. Ele lembra que o referencial ainda acumula queda de 2,83% em maio, com forte saída de recursos externos da B3.
"É bom ver o Ibovespa subir 4% na semana, mas o problema é que ele chega próximo desse patamar e trava, não define para qual lado irá. O mercado já subiu em cima de expectativas, mas agora quer ver fatos concretos para atrair recursos e ir além", disse o profissional.
Na análise por ações, a queda do Ibovespa no dia foi determinada pelo setor financeiro, tendo como destaque Itaú Unibanco PN (-1,49%) e Bradesco PN (-0,98%). A melhora do humor no mercado internacional, com menor aversão ao risco por conta da tensão comercial, favoreceu ações ligadas a commodities. Petrobras PN subiu 0,97% e Vale ON subiu 1%.
Do lado das altas, chamaram a atenção as ações de consumo, que avançaram com a expectativa de redução de juros neste ano. O ICON, índice da B3 que acompanha papéis de consumo cíclico e não-cíclico, teve alta de 0,05% no dia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia