Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de maio de 2019.
Dia Mundial do Desenvolvimento Cultural.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

MERCADO FINANCEIRO

21/05/2019 - 14h38min. Alterada em 21/05 às 14h38min

Bolsas da Europa fecham em alta após EUA relaxarem restrições à Huawei

Estadão Conteúdo
As bolsas da Europa fecharam em alta nesta terça-feira, 21, à medida em que as tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China foram amenizadas após Washington relaxar restrições comerciais à companhia Huawei. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,53%, em 379,46 pontos.
O Departamento do Comércio americano decidiu relaxar de forma temporária às restrições à Huawei, após o governo dos EUA ter publicado, na semana passada, um decreto que limitava as relações de companhias americanas e chinesas.
O secretário de Comércio americano, Wilbur Ross, afirmou que isso possibilitará a manutenção de redes de negócios existentes e a realização de atualizações nos dispositivos existentes da empresa asiática.
Nesse sentido, a empresa franco-italiana de tecnologia STMicroelectronics, que na segunda-feira fechou o pregão caindo quase 10%, recuperou parte das perdas e encerrou a sessão de hoje em alta de 4,45% em Milão, onde o índice FTSE MIB avançou 0,77%, em 20.698,61 pontos. O subíndice de tecnologia do Stoxx 600 avançou 1,57%, a melhor performance setorial do dia.
Em Londres, o índice FTSE subiu 0,25%, em 7.328,92 pontos, o menor avanço do dia entre os mercados europeus. O principal fator de pressão sobre o mercado londrino foi a queda de 9,23% nos papéis da Royal Mail, empresa de capital misto que detém o monopólio postal do Reino Unido, após analistas afirmarem que esperam queda de 40% nos ganhos anuais da companhia.
Pouco antes da Bolsa de Londres fechar, a primeira-ministra britânica, Theresa May, fez pronunciamento anunciando uma nova proposta de acordo do Brexit que vai levar ao Parlamento, fazendo com que a libra se fortalecesse em relação ao dólar, pressionando os papéis de exportadoras como a mineradora Rio Tinto (-0,84%).
Na Alemanha, a Thyssenkrup viu seus papéis se valorizarem 4,79% após a notícia de que o conselho executivo da empresa apoiou unanimemente a estratégia do presidente-executivo, Guido Kerkhoff, de listar no mercado acionário a divisão de elevadores da companhia. O índice DAX, da Bolsa de Frankfurt, avançou 0,85%, em 1.143,47 pontos.
Na Bolsa de Paris, o índice CAC 40 fechou em alta de 0,50%, em 5.385,46 pontos, enquanto em Lisboa o índice PSI 20 avançou 0,47%, em 5.122,59 pontos. Em Madri, o índice IBEX 35 subiu 0,43%, em 9.239,10 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia