Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 16/05 às 08h45min

IPC-S reduz alta a 0,42% na segunda semana de maio, diz FGV

Grupo Alimentação exerceu maior influência, passando de 0,45% para 0,14%

Grupo Alimentação exerceu maior influência, passando de 0,45% para 0,14%


GILMAR LUÍS/arquivo/JC
Estadão Conteúdo
O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) desacelerou o ritmo de alta na segunda quadrissemana de maio em relação à leitura anterior, de 0,57% para 0,42%, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quinta-feira (16).
Na segunda medição do mês, seis das oito classes de despesa componentes do IPC-S apresentaram arrefecimento. A principal influência, destaca a FGV, veio do grupo Alimentação (0,45% para 0,14%), com destaque para o comportamento do item hortaliças e legumes, cuja taxa passou de 6,38% para 2,91%.
Os outros grupos que tiveram alívio no período foram: Educação, Leitura e Recreação (0,38% para -0,07%), com influência de passagem aérea (-1,89% para -9,08%); Vestuário (0,85% para 0,29%), em que o destaque foram roupas (1,04% para 0,41%); Saúde e Cuidados Pessoais (0,93% para 0,89%), com contribuição de artigos de higiene e cuidado pessoal (0,87% para 0,17%); Transportes (0,98% para 0,96%), influenciado por tarifa de ônibus urbano (1,32% para 0,78%); e Comunicação (0,05% para -0,10%), beneficiado por pacotes de telefonia fixa e internet (-0,09% para -0,52%).
Em contrapartida, registraram aceleração no período os grupos Despesas Diversas (0,75% para 1,00%) e Habitação (0,28% para 0,29%). Nesses segmentos, os destaques foram bilhete lotérico (30,05% para 40,62%) e taxa de água e esgoto residencial (0,26% para 0,33%), respectivamente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia