Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Edição impressa de 16/05/2019. Alterada em 15/05 às 22h54min

Zeina Latif defende que mudanças na Previdência são inevitáveis

Economista analisou o cenário econômico em encontro na Capital

Economista analisou o cenário econômico em encontro na Capital


/MARIANA CARLESSO/JC
Roberta Mello
Confiante que a reforma da Previdência irá sair do papel, a economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif, relativiza, no entanto, a ideia de que essa deverá ser a principal saída para a retomada do crescimento no País. Zeina realizou uma análise do cenário econômico durante encontro com investidores promovido pela Invista Valores, agente autônomo de investimentos da XP Investimentos em Porto Alegre.
Durante a palestra, Zeina defendeu que não basta uma equipe econômica comprometida com a realização de mudanças. "Para que as reformas aconteçam, a liderança do presidente é essencial. O custo político (da reforma da Previdência) é do Bolsonaro e ele tem que assumir. Se ele não fizer isso, não será o Congresso Nacional que vai fazer", defendeu a economista.
Ainda assim, para a economista, é inevitável que a reforma aconteça. "Talvez a proposta até sofra mudanças no Congresso, mas está claro que o orçamento não se sustenta comprometido como está. Hoje, os gastos da Previdência consomem 14% do PIB e, em 2030, poderá subir para 18%. Sem reformas ninguém sustenta um quadro como este", afirma.
O mais preocupante, contudo, na avaliação da economista, é que ainda não está clara qual será a agenda pós-reforma. Para ela, enquanto essa definição não acontecer, o empresariado não vai investir.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia