Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de maio de 2019.
Dia do Assistente Social.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

Edição impressa de 15/05/2019. Alterada em 15/05 às 03h00min

Exportações chinesas de aço ao Brasil disparam em meio à crise

Diante do confronto comercial entre Estados Unidos e China, a América Latina tem recebido cada vez mais aço chinês, apontou a Associação Latino-Americana do Aço (Alacero). Conforme números da associação, divulgados ontem, a exportação de aço laminado para países da América Latina alcançou US$ 5,521 bilhões em 2018, crescimento de 24,6% na comparação com 2017.
Em volume, as exportações chinesas ao continente atingiram 7,279 milhões de toneladas, crescimento de 4,2% em igual comparativo.
Somente para o Brasil, as exportações de siderúrgicos chineses em 2018 atingiram US$ 844,73 milhões em valor e 1,034 milhão de toneladas - crescimento de 37,8% e 20%, respectivamente.
Já no comércio indireto de aço - com produtos que usam a commodity -, os envios da China à América Latina saltaram 16,57% em valor em 2018 na comparação com 2017, para US$ 47,468 bilhões. O Brasil recebeu US$ 10,590 bilhões no ano, crescimento de 37,65%, conforme dados da Alacero.
De acordo com o presidente da Alacero, Máximo Vedoya, tal avanço reflete os confrontos comerciais entre os Estados Unidos e a China. "Dentro desse panorama, podemos ver como a América Latina está sofrendo nesse setor", disse, destacando as dificuldades de competição do setor local. Vedoya defendeu uma proteção para o setor, caso contrário, a siderurgia na região terá problema de competitividade.
No segmento de aços planos da China para a América Latina, a alta no ano foi de 10% na comparação anual em quantidade, e para tubos, 11%.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia