Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mineração

13/05/2019 - 12h06min. Alterada em 13/05 às 12h06min

Vale anuncia que investirá R$ 11 bilhões em cinco anos para processamento a seco

Método deverá subir dos 60% atuais para 70% das suas operações até 2023

Método deverá subir dos 60% atuais para 70% das suas operações até 2023


MIGUEL SCHINCARIOL/AFP/JC
Estadão Conteúdo
Após duas grandes tragédias motivadas por rompimentos de barragens em suas operações, a Vale anunciou investimentos de R$ 11 bilhões nos próximos cinco anos em processamento a seco do minério de ferro, para que o método suba dos 60% atuais para 70% das suas operações até 2023.
Segundo comunicado enviado pela companhia na manhã desta segunda-feira (13), nos últimos dez anos já foram investidos R$ 66 bilhões para implantar esse processo nas suas unidades. A mineradora explica que o processamento a seco do mineiro está vinculado à qualidade do minério de ferro a ser produzido, e por este motivo as operações que mais utilizam o processo a seco estão localizadas no Pará.
"O processamento a seco está vinculado à qualidade do minério de ferro extraído na frente de lavra. Em Carajás, como o teor de ferro já é elevado (acima de 64% de ferro), o material somente é britado e peneirado, para ser classificado por tamanho (granulometria). Já em Minas Gerais, o teor médio é de 40% de ferro, contido em rochas conhecidas como itabiritos", disse a Vale em nota.
No Pará, no chamado Sistema Norte, cerca de 80% das quase 200 milhões de toneladas produzidas em 2018 foram através de processamento a seco. Em Minas Gerais, o processamento a seco foi ampliado de 20%, em 2016, para 32%, em 2018.
Em 2016, o rompimento de uma barragem da Samarco, então joint venture da Vale com BHP, causou o maior acidente ambiental do País e matou 19 pessoas.
Em janeiro deste ano, uma nova tragédia, com o rompimento da barragem da mina da Vale de Córrego do Feijão, em Brumadinho, também Minas Gerais, deixou um saldo até o momento de 238 mortos, e mais 32 corpos que ainda não foram localizados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia