Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 08 de maio de 2019.
Dia do Profissional de Marketing.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 08/05 às 08h02min

Bolsas da Ásia caem, com cautela comercial e de olho em dado chinês

Estadão Conteúdo
As bolsas asiáticas tiveram jornada negativa nesta quarta-feira (8), novamente influenciadas pelo temor sobre o comércio entre Estados Unidos e China. Além disso, investidores monitoraram os dados da balança comercial chinesa.
A Bolsa de Xangai fechou em queda de 1,12%, em 2.893,76 pontos, e a de Shenzhen, de menor abrangência, teve baixa de 0,65%, para 1.600,28 pontos. Após um pregão negativo em Nova Iorque, os mercados chineses acompanharam o movimento, com analistas em geral destacando as dificuldades para que as duas potências possam fechar um acordo rápido e evitar as novas tarifas anunciadas sobre produtos chineses pelo presidente americano, Donald Trump, que entrariam em vigor já nesta sexta-feira (10).
Na agenda de indicadores, as exportações chinesas recuaram 2,7% em abril, na comparação anual, segundo os números medidos em dólares. Isso contrariou a previsão de alta de 1,8% dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal. Já as importações do país cresceram 4% na mesma comparação, ante expectativa de queda de 2,7% dos economistas. O superávit comercial da China diminuiu a US$ 13,84 bilhões em abril, bem abaixo da previsão de US$ 33,63 bilhões.
Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei registrou baixa de 1,46%, a 21.602,59 pontos. Entre os papéis mais negociados, Mizuho Financial Group caiu 1,22% e Mitsubishi UFJ recuou 1,02%. Honda Motor recuou 2,84% após balanço e Toyota Motor perdeu 0,95%, também após divulgar resultados trimestrais.
Em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 1,23%, a 29.003,20 pontos. As ações locais chegaram a subir pela manhã, mas voltaram ao território negativo nas horas finais do pregão e terminaram perto das mínimas no dia. Esse patamar modesto do Hang Seng não era visto desde o fim de março. Entre as ações em foco, Techtronic caiu 4,4% e WH, 3%, enquanto a seguradora Ping An teve baixa de 2%.
Na Coreia do Sul, o índice Kospi fechou em queda de 0,41%, em 2.168,01 pontos. O Kospi chegou a recuar 1% após a abertura, mas ações do setor de construção ajudaram na redução das perdas. A fabricante de microchips Hynix subiu 0,5%, enquanto Samsung Electronics teve perda de 1,3%. Entre outras ações no radar, Korean Air caiu 1,8% e Samsung Biologics teve baixa de 7,7% - neste último caso em meio a uma investigação sobre a fabricante de medicamentos.
Em Taiwan, o índice Taiex registrou recuo de 0,58%, a 10.923,71 pontos, em um pregão com volume modesto. Taiwan Semi caiu 0,95%, mesmo após o Goldman Sachs informar que começará a acompanhar a ação e já recomendar sua compra, prevendo valorização de 20% do papel. Asustek teve queda de 1,5% e Mega Financial terminou estável.
Na Oceania, o índice S&P/ASX 200 fechou em baixa de 0,42%, em 6.269,10 pontos, na Bolsa de Sydney. Entre as mineradoras, BHP caiu 0,32% e Fortescue Metals Group, 1,45%. Entre os mais negociados, Aura Energy perdeu 9,09% e Telstra teve queda de 2,08%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia