Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 03 de maio de 2019.
Dia Mundial da Liberdade de Imprensa.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Pesquisa

Alterada em 03/05 às 14h38min

Pesquisa aponta estagnação salarial de executivos de alto escalão em 2018

Folhapress
De acordo com pesquisa divulgada nesta sexta-feira (3) pela Page Executive, empresa especializada no recrutamento de executivos de alto escalão, a remuneração mensal fixa de presidentes e executivos ficou praticamente inalterada em 2018, com leve acréscimo de 0,5%.
O levantamento apontou, por outro lado, que gratificações como bônus e incentivos de longo prazo foram melhores do que nos anos anteriores e contribuíram para uma alta de 5,7% na remuneração média anual desse público.
O estudo foi realizado no último trimestre de 2018 e entrevistou 1,150 presidentes e diretores executivos de cerca de 60 empresas de pequeno, médio e grande porte, de diversos setores do mercado brasileiro.
A remuneração desses profissionais foi classificada em quatro faixas, de acordo com o porte de faturamento da empresa em que atuam: até R$ 100 milhões, de R$ 100 milhões a R$ 500 milhões, de R$ 500 milhões a R$ 1 bilhão e acima de R$ 1 bilhão.
Para Fernando Andraus, diretor executivo da Page Executive, o estudo mostra que o alto escalão também acabou sendo impactado pelos percalços econômicos, embora as gratificações tenham, de certa forma, compensado os resultados.
"O que vimos foi uma estagnação na remuneração mensal fixa desses executivos. Os bônus e incentivos de longo prazo ajudaram presidentes e diretores executivos a terem uma melhor remuneração anual em 2018, com destaque especial para diretores financeiros e de tecnologia", explica.
De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a economia brasileira repetiu o desempenho de 2017 e cresceu 1,1% em 2018.
O ritmo de atividade se manteve similar a 2017, desapontando economistas que haviam iniciado 2018 com expectativa de crescimento perto de 3% para o ano.
O ritmo foi considerado desanimador por especialistas, que avaliam um desempenho fraco similar para 2019.
A mais recente pesquisa Focus, feita pelo BC com analistas de mercado, estimou uma alta de 1,7% para o PIB neste ano. Há 12 meses, as projeções estavam em 3%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia