Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 29 de abril de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

29/04/2019 - 08h42min. Alterada em 29/04 às 08h42min

IGP-M sobe 0,92% em abril, após 1,26% em março, afirma FGV

Taxa foi a maior para o mês desde 2015, quando havia sido de 1,17%

Taxa foi a maior para o mês desde 2015, quando havia sido de 1,17%


MATEUS BRUXEL/ARQUIVO/JC
Estadão Conteúdo
O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), usado no reajuste dos contratos de aluguel, subiu 0,92% em abril, desacelerando do patamar de 1,26% alcançado em março, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta segunda-feira (29). A taxa, contudo, foi a maior para o mês desde 2015, quando havia sido de 1,17%.
Mesmo com o arrefecimento mensal, o IGP-M avançou em 12 meses, de 8,27% até março para 8,64% em abril. No ano, o indicador acumula alta de 3,10%.
O arrefecimento IGP-M entre março e abril foi determinado pela perda de força dos produtos no atacado no período. O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M) desacelerou de 1,67% no terceiro mês do ano para 1,07% neste mês.
Os preços agropecuários perderam força na passagem de março para abril. A desaceleração dos preços no atacado foi beneficiada pelo arrefecimento do IPA Agropecuário, que passou de 3,90% para 0,45% entre março e abril. Já o IPA Industrial acelerou de 0,93% para 1,28%.
Nos estágios de produção, houve arrefecimento nas três categorias analisadas. Bens Finais subiram 1,25% em abril, de 1,93% em março. Já os Bens Intermediários avançaram 0,47%, de 0,87%, enquanto as matérias-primas brutas tiveram alta de 1,57% em abril, ante 2,33% no mês anterior.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia