Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 25 de abril de 2019.
Dia do Contabilista.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Siderurgia

25/04/2019 - 18h29min. Alterada em 25/04 às 18h29min

Produção de aço cai 2,8% no primeiro trimestre

Setor ainda vem sentindo os efeitos das dificuldades na economia brasileira

Setor ainda vem sentindo os efeitos das dificuldades na economia brasileira


AFP/JC
Agência Brasil
No primeiro trimestre, a indústria brasileira de aço teve um desempenho 2,8% inferior ao do mesmo período do ano passado, com produção de 8,4 milhões de toneladas. As vendas internas caíram 0,1%, com 4,4 milhões de toneladas, e o consumo aparente caiu 1,4%, somando 4,9 milhões de toneladas. A queda ocorreu, segundo o Instituto Aço Brasil, porque o setor ainda vem sentindo os efeitos das dificuldades na economia brasileira, com o atraso na aprovação da reforma da Previdência.
"Os resultados não foram positivos", disse nesta quinta-feira (25) o presidente executivo do instituto, Marco Polo de Mello Lopes, em entrevista em São Paulo. "Isso não era esperado. Veio aquém daquilo que se imaginava. Nos primeiros três meses, o que tinha sido considerado vital pelo governo, que é a reforma da Previdência, que é um divisor de águas, é que o governo teve dificuldades grandes em relação à sua aprovação. É um governo novo, com propostas, estrutura e forma novas, ainda em acomodação das engrenagens todas. E o Congresso criou dificuldades para a aprovação daquilo que consideramos algo absolutamente prioritário", ressaltou.
"Para nós, é fundamental que haja retomada do crescimento econômico. Isso é imprescindível para o país", afirmou. "Para ter esse crescimento econômico de forma sustentável, tem que fazer o dever de casa. Tem que arrumar a cozinha. Tem que arrumar a casa. E o arrumar a casa é o ajuste fiscal. É fundamental, imprescindível para o país, aprovar a reforma da previdência. Há mobilização enorme de nossa parte junto a parlamentares, junto à mídia, junto a entes formadores de posição e de opinião, no sentido de convencê-los da importância estratégica da aprovação da rerforma. Ela é vital. A reforma tributária também. Existe um manicômio tributário que precisa ser resolvido." De acordo com o Lopes, para 2019 a indústria espera bom desempenho, com crescimento nas vendas internas de 4,1% em relação ao ano passado, somando 19,5 milhões de toneladas.
No consumo aparente, a expectativa é fechar o ano com aumento de 4,6%, atingindo 22 milhões de toneladas, segundo o presidente do Instituto Aço Brasil, o que só deve ocorrer se o Brasil conseguir fazer o ajuste fiscal, com as reformas da previdência e tributária. "Se a reforma for aprovada com densidade, e ela não pode ser desidratada, tenho certeza de que esses números serão alterados para cima."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia