Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 23 de abril de 2019.
Dia Mundial do Livro. Dia Mundial do Escoteiro.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

23/04/2019 - 11h15min. Alterada em 23/04 às 11h49min

Otimismo com CCJ e Nova Iorque em alta levam Ibovespa acima dos 95 mil pontos

Estadão Conteúdo
O Ibovespa é negociado nesta terça-feira (23), em alta desde a abertura, superando os 95 mil pontos na máxima intraday. O movimento é fundamentado numa soma de fatores: alta nas bolsas de Nova Iorque após resultados corporativos trimestrais positivos, fim à possibilidade de greve dos caminhoneiros, esperança com aprovação da admissibilidade da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) após acordo com o Centrão, alta do petróleo mesmo após a forte valorização nessa segunda-feira (22).
Às 11h13min, o Ibovespa estava aos 95.868 pontos em alta de 1,35%.
Todas as blue chips colaboravam para essa valorização, sobretudo as ações da Petrobras. Em alta desde a abertura, não é possível, contudo, antecipar se o índice à vista encerrará o dia com variação positiva. Tudo dependerá do desenrolar da reforma na CCJ, onde os deputados iniciam a sessão à tarde. Muitos analistas sugerem cautela para o dia.
Ainda que a valorização do petróleo sugira o mesmo comportamento para as ações da Petrobras, analistas estudam se a correlação direta entre os dois preços segue valendo depois de o presidente Jair Bolsonaro ter interferido no reajuste do diesel na quinzena passada.
Os analistas da estatal, inclusive, assimilam a mudança na divulgação de ajustes de preços da gasolina e do diesel anunciada nessa segunda-feira. A empresa vai passar a registrar o valor por cada um dos 37 pontos de venda e não mais fazendo a média do mercado, como vinha divulgando.
O detalhamento do preço de venda da Petrobras é um antiga reivindicação da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e uma forma de o mercado comparar os valores divulgados pela agência com os da petroleira, a fim de verificar se a estatal está realmente praticando preços alinhados com mercado internacional.
Do noticiário corporativo, um dos destaques é a B3. O conselho de administração aprovou ontem a realização da segunda emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, da companhia, em série única, no valor total de R$ 1,2 bilhão. Os títulos terão distribuição pública com esforços restritos de colocação. Perto do horário acima, a ON da B3 subia 1,44%.
Sobre a iminente greve no setor de transportes, o governo conseguiu chegar a um acordo que demoveu os caminhoneiros da ideia de paralisar os serviços e o País. Além do pacote divulgado na semana passada e da mudança na forma de divulgação dos reajustes da Petrobras, ficou acertado que o governo irá fiscalizar o cumprimento das tabelas de preço do frete e reajustá-las com as variações de preço dos combustíveis.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia