Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de abril de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

17/04/2019 - 18h53min. Alterada em 17/04 às 18h53min

Eletrobras aprofunda estudos sobre venda e privatização, diz presidente

Wilson Ferreira Junior aponta dúvida se processo será por meio de capitalização ou privatização

Wilson Ferreira Junior aponta dúvida se processo será por meio de capitalização ou privatização


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Estadão Conteúdo
O diretor presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, afirmou que os estudos sobre o processo de venda da empresa continuam em andamento e estão sendo aprofundados. A maior dúvida é como será o processo, capitalização ou privatização.
"Abriu um período de avaliação dessas alternativas. Estamos aprofundando estudos em junho e devemos ter conclusão. Se vamos para capitalização olhando para eliminação do risco hidrológico, ou se vamos para um programa de venda da empresa", disse, durante evento organizado pela Fitch, nesta quarta-feira (17), em São Paulo.
Na ocasião, Ferreira voltou a se mostrar mais favorável ao processo pela capitalização como uma forma de fortalecer a empresa e dar a ela capacidade de fazer frente aos investimentos necessários para o setor.
"Ela não é capaz de enfrentar um programa de investimento nas proporções do que ela representa", defendeu, e acrescentou: "É preciso capitalizar a empresa, que tem importância no País."
O executivo explicou que, apenas para a empresa manter seu market share, ela teria de investir entre R$ 10 bilhões e R$ 14 bilhões. Segundo Ferreira, para os próximos anos, mantendo o nível saudável e alavancagem abaixo de 3 x, os investimentos ficariam na casa dos R$ 4 bilhões.
O executivo voltou a defender um enxugamento da folha de pagamento da companhia. A venda da empresa, segundo ele, não seria para tirá-la do Estado, mas "dos empregados" diante do forte "corporativismo dentro da empresa". "A empresa tinha 26 mil empregados. Chegamos a 13,5 mil. O drama principal é o drama da governança", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia