Porto Alegre, quinta-feira, 30 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 30 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

reforma da previdência

- Publicada em 03h03min, 16/04/2019. Atualizada em 03h00min, 16/04/2019.

Gastos de estados com servidores sobem 2,9% em 2018, aponta Ipea

Os gastos com servidores ativos e inativos tiveram um aumento real médio de 2,9% em 2018, na comparação com 2017, segundo informações de 23 unidades da Federação, calculou o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O resultado é quase três vezes superior ao crescimento de 1,1% registrado pelo Produto Interno Bruto no ano passado, lembrou o instituto. Os gastos com pessoal ultrapassaram R$ 373 bilhões em 2018, incluindo servidores ativos e inativos.
Os gastos com servidores ativos e inativos tiveram um aumento real médio de 2,9% em 2018, na comparação com 2017, segundo informações de 23 unidades da Federação, calculou o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O resultado é quase três vezes superior ao crescimento de 1,1% registrado pelo Produto Interno Bruto no ano passado, lembrou o instituto. Os gastos com pessoal ultrapassaram R$ 373 bilhões em 2018, incluindo servidores ativos e inativos.
As despesas com inativos subiram 7,6% em 2018, enquanto os gastos com funcionários ativos aumentaram 0,7%. "Os dados refletem dois fenômenos interligados. O primeiro é o elevado ritmo de crescimento das novas aposentadorias verificado nos últimos anos - reflexo, em grande medida, do ciclo de contratações de servidores públicos ocorrido nos anos 1980 e nos anos 1990, até a renegociação das dívidas estaduais, em 1997. O segundo é a não reposição de parte significativa dos postos de trabalho antes ocupados pelos recém-aposentados", escreveu o Ipea, em nota técnica divulgada ontem.
Segundo Cláudio Hamilton dos Santos, um dos autores do estudo, chama atenção o fato de vários estados terem apresentado elevações nos gastos com ativos, o que não vinha ocorrendo em anos recentes. "Talvez por ter sido um ano eleitoral, o fato é que vários estados apresentaram pequenos aumentos nos quadros de servidores estatutários em 2018", observou Santos, em nota oficial.
Os estados de Minas Gerais e Rio Grande do Sul têm mais servidores inativos do que ativos. Minas Gerais encerrou 2018 com 283.614 inativos e 245.319 ativos, enquanto o Rio Grande do Sul tinha 167.532 inativos e 107.906 ativos.
Comentários CORRIGIR TEXTO