Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de abril de 2019.
Dia do Obstetra.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

serviços

12/04/2019 - 11h34min. Alterada em 12/04 às 11h43min

Setor de serviços cai 0,8% no Rio Grande do Sul de janeiro para fevereiro

No País, o volume de serviços prestados recuou 0,4% no mês, liderado por queda nos transportes

No País, o volume de serviços prestados recuou 0,4% no mês, liderado por queda nos transportes


GILMAR LUÍZ/ARQUIVO/JC
O volume de serviços prestados no Rio Grande do Sul recuou 0,8% na passagem de janeiro para fevereiro, repetindo o ritmo de queda registrado no primeiro mês do ano (0,8%). Frente a janeiro do ano passado, no entanto, o setor cresceu 0,8%. No País, o volume de serviços recuou 0,4% em fevereiro ante janeiro e subiu 3,8% no confronto anual. Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgados nesta sexta-feira (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
O desempenho por segmento no Estado mostra que três das cinco atividades pesquisadas tiveram alta. Serviços prestados às famílias (4,0%), serviços profissionais, administrativos e complementares (3,8%) e transportes e correio (1,9%) somaram os dados positivos. Já a queda mais expressiva foi sentida pelo segmento outros serviços, que recuou 7,8%, seguido de serviços de informação e comunicação (-1,1%). 
No recorte nacional, três das cinco atividades de serviços pesquisadas tiveram queda no mês: transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-2,6%), outros serviços (-3,8%) e serviços prestados às famílias (-1,1%). Os serviços profissionais, administrativos e complementares mostraram estabilidade. O único segmento em alta foi o de serviços de informação e comunicação (0,8%). 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia