Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de abril de 2019.
Dia do Infectologista.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

11/04/2019 - 18h42min. Alterada em 11/04 às 18h42min

Medidas anunciadas reduzem insegurança jurídica e favorecem investimentos, segundo CNI

Estadão Conteúdo
A Confederação Nacional da Indústria (CNI) avaliou como positivas as medidas anunciadas nesta quinta-feira (11) pelo governo federal. Para a entidade, as medidas simplificam exigências, racionalizam órgãos públicos e melhoram o arcabouço regulatório.
O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta quinta um conjunto de 18 atos para celebrar a marca dos 100 dias de seu governo. A CNI destaca, entre as 18 medidas, as que têm maior potencial de impactos sobre as empresas e atividade econômica, como a revogação de decretos que visam reduzir as exigências burocráticas sobre empresas e indivíduos, a resolução que trata da cessão onerosa na exploração do pré-sal, a autonomia do Banco Central e a que trata da conversão de multas ambientais.
"Esse conjunto de medidas terá impactos positivos sobre os custos e reduzirá a insegurança jurídica, o que ajudará a melhorar o ambiente de negócios e a estimular os investimentos", afirma em nota o presidente da CNI em exercício, Glauco Côrte.
Apesar da avaliação positiva, a entidade destaca que as medidas têm efeitos limitados para acelerar o ritmo de crescimento da economia. "A indústria precisa de ações que melhorem as condições de custo e de acesso ao crédito, como a regulamentação do sistema de garantias e iniciativas que facilitem a criação de emprego", diz Côrte.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia