Porto Alegre, quinta-feira, 30 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 30 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

reforma da previdência

- Publicada em 03h01min, 03/04/2019.

Governo planeja pautar reforma tributária

Pauta do Palácio do Planalto é liberal, afirmou Vitor Hugo (PSL-GO)

Pauta do Palácio do Planalto é liberal, afirmou Vitor Hugo (PSL-GO)


/MICHEL JESUS/CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
O governo já avalia enviar uma reforma tributária ao Congresso antes mesmo da aprovação da reforma da Previdência. O tema foi um dos pontos tratados ontem em reuniões entre parlamentares e o ministro da Economia, Paulo Guedes. O líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO) confirmou que essa é uma possibilidade avaliada pelo governo, que também quer pautar a proposta de desvinculação do Orçamento, a chamada PEC do pacto federativo.
O governo já avalia enviar uma reforma tributária ao Congresso antes mesmo da aprovação da reforma da Previdência. O tema foi um dos pontos tratados ontem em reuniões entre parlamentares e o ministro da Economia, Paulo Guedes. O líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO) confirmou que essa é uma possibilidade avaliada pelo governo, que também quer pautar a proposta de desvinculação do Orçamento, a chamada PEC do pacto federativo.
"A pauta do governo é uma pauta liberal. Se há condições políticas e se o parlamento entender que é o momento de fazer, se conseguimos aprovar a reforma tributária, se conseguirmos aprovar o quanto antes a questão da mudança do pacto federativo para levar mais recursos para a ponta da linha, melhor", disse Vitor Hugo, ao sair da reunião com Guedes no ministério da Economia.
A preocupação com a carga tributária e uma melhor redistribuição dos recursos arrecadados com impostos e contribuições foi levada a Guedes por parlamentares do PSD, os primeiros a se reunir com o ministro nesta manhã. Uma das ideias em discussão é redistribuir os recursos arrecadados com a CSLL, que incide sobre as empresas, disse o deputado Júlio César (PSD-PI).
"Dei a sugestão de ele voltar a base econômica da CSLL, que é imposto de renda das pessoas jurídicas, para compartilhar entre União, estados e municípios. Com isso, vai ter o apoio muito forte dos prefeitos e dos governadores do Brasil", explicou o parlamentar.
Na avaliação do secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, que participou do encontro com o PSD, a decisão sobre pautar a reforma tributária já durante a tramitação da Previdência caberá aos parlamentares. Internamente, o debate está avançado. No último fim de semana, o secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, publicou em uma rede social que a medida está "no forno'.
"O Brasil tem uma carga tributária alta e uma estrutura tributária absolutamente inescrutável. Há uma espécie de disputa dos entes federados na obtenção desses recursos. É evidente que é necessário se organizar a matriz de arrecadação no país. A conveniência da apresentação do projeto será decidida juntamente com os líderes partidários e com os presidentes das Casas", disse Marinho. "São (propostas) complementares. O Brasil não vai viver só de reforma da Previdência."
Apesar de outras pautas começarem a ser debatidas, a revisão das regras da aposentadoria ainda é a maior preocupação da equipe econômica. Ao intensificar a agenda de encontros com parlamentares, Guedes entrou de vez na articulação pela reforma no Congresso, o que foi bem visto pelos líderes. Hoje, o ministro participa de uma audiência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).
Guedes deve ter trabalho pela frente, uma vez que parlamentares já demonstraram resistência a pontos da reforma antes mesmo de o texto começar a ser debatido no Congresso. As regras mais rígidas propostas para o acesso ao benefício pago a idosos carentes e para a aposentadoria rural já foram publicamente descartados por um grupo de 13 partidos, que integram o chamado Centrão.
Na avaliação do líder do DEM na Câmara, Elmar Nascimento (BA), que foi ao ministério tratar de outra pauta, relacionada ao tratamento tributário às empresas do Minha Casa, Minha Vida, a discussão sobre reforma da Previdência é como escalação de time de futebol. "Nossa compreensão é de que 100% da Câmara sabe da necessidade de aprovação de uma reforma da Previdência. Mas o problema é que isso é igual a escalação de time de futebol: cada um tem uma escalação na cabeça. Você vem com uma série de questões que envolvem um monte de corporações, um monte de categorias, e pode, nas emendas e destaque, ir desfigurando (a proposta)", disse
A rediscussão do chamado pacto federativo também entrou na pauta de conversas do ministro com os parlamentares. Guedes se reuniu com deputados da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Pacto Federativo e se comprometeu a montar um grupo de trabalho para discutir medidas para descentralizar recursos para estados e municípios. O pacote envolve ainda a redistribuição de até 70% dos recursos arrecadados com o megaleilão da cessão onerosa, que o governo tenta tirar do papel.
"Está sendo discutida a Lei Kandir, 1% do FPM, a cessão onerosa, a securitização, temas extremamente importantes que vão fortalecer municípios e estados", disse o deputado Silvio Costa Filho (PRB-PR), presidente da frente parlamentar.  Costa Filho disse que a agenda envolve uma PEC para desvincular o Orçamento, defendida por Guedes desde a campanha eleitoral, que também pode tramitar ao mesmo tempo que a reforma da Previdência.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO