Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 02 de abril de 2019.
Dia Internacional do Livro Infanto-juvenil.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Edição impressa de 02/04/2019. Alterada em 02/04 às 03h00min

Ibovespa avança 0,67% e dólar cai para R$ 3,8746

O Índice Bovespa iniciou abril dando continuidade ao movimento de recuperação iniciado na semana passada. Para isso, contou com a redução dos temores de desaceleração da economia global e a continuidade da trégua acenada na semana passada entre Executivo e Legislativo. Em sua terceira alta consecutiva, o índice terminou esta segunda-feira (1) aos 96.054 pontos, com ganho de 0,67%. Os negócios somaram R$ 13,4 bilhões.
A alta foi amparada principalmente pelas ações de mineração e siderurgia, que acompanharam o avanço dos preços do minério de ferro, depois que a China anunciou dados positivos da indústria em março. Ao final do pregão, Vale ON avançou 3,28%. Entre as siderúrgicas, destaque para Gerdau PN ( 6,21%), CSN ON ( 4,12%) e Usiminas PNA ( 1,79%).
Em contrapartida, os papéis da Petrobras não tiveram fôlego para acompanhar a alta do petróleo, em um ambiente de desconforto com questões específicas da empresa. Segundo operadores, pesaram informações de que a empresa não está segura de quando e em quais condições a discussão da cessão onerosa com o governo será concluída. Além disso, a possibilidade de participação da Petrobras em um leilão de óleo e gás em Israel foi vista como um fator que se contrapõe ao plano de desinvestimento da companhia. Petrobras ON e PN terminaram o dia com perdas de 0,90% e 0,21%.
A ausência de ruídos sobre a reforma da Previdência após a pacificação no relacionamento entre o governo Jair Bolsonaro e o Congresso abriram espaço para que o real se beneficiasse do ambiente externo de apetite ao risco ontem.
Em meio a uma perda de força generalizada da moeda americana na comparação com divisas emergentes, como o peso mexicano e o rand sul-africano, o dólar encerrou a primeira sessão de abril em queda de 1,06%, cotado a R$ 3,8746, após ter acumulado alta de 4,33% em março.
.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia