Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de abril de 2019.
Dia da Mentira.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

01/04/2019 - 18h10min. Alterada em 01/04 às 18h10min

Em sua terceira alta seguida, Ibovespa avança 0,67% e retoma os 96 mil pontos

Os negócios somaram R$ 13,4 bilhões

Os negócios somaram R$ 13,4 bilhões


SUAMY BEYDOUN /AGIF/FOLHAPRESS/JC
Estadão Conteúdo
O Índice Bovespa iniciou abril dando continuidade ao movimento de recuperação iniciado na semana passada. Para isso, contou com a redução dos temores de desaceleração da economia global e a continuidade da trégua acenada na semana passada entre Executivo e Legislativo. Em sua terceira alta consecutiva, o índice terminou esta segunda-feira (1), aos 96.054,45 pontos, com ganho de 0,67%. Os negócios somaram R$ 13,4 bilhões.
A alta foi amparada principalmente pelas ações de mineração e siderurgia, que acompanharam o avanço dos preços do minério de ferro, depois que a China anunciou dados positivos da indústria em março. Ao final do pregão, Vale ON avançou 3,28%. Entre as siderúrgicas, destaque para Gerdau PN (+6,21%), CSN ON (+4,12%) e Usiminas PNA (+1,79%).
Em contrapartida, os papéis da Petrobras não tiveram fôlego para acompanhar a alta do petróleo, em um ambiente de desconforto com questões específicas da empresa. Segundo operadores, pesaram informações de que a empresa não está segura de quando e em quais condições a discussão da cessão onerosa com o governo será concluída. Além disso, a possibilidade de participação da Petrobras em um leilão de óleo e gás em Israel foi vista como um fator que se contrapõe ao plano de desinvestimento da companhia. Petrobras ON e PN terminaram o dia com perdas de 0,90% e 0,21%.
No melhor momento do dia, próximo das 13h, o Ibovespa chegou aos 96.751,53 pontos (+1,40%). Naquele momento, as ações da Petrobras ainda oscilavam em terreno positivo e os papéis do setor financeiro ostentavam altas expressivas, que também perderam fôlego ao longo do dia.
"As notícias sobre Petrobras deixaram o mercado cauteloso, o que favoreceu o descolamento das ações dos preços do petróleo. As ações perderam ímpeto, mas podem ter sido apenas alvo de realização de lucros", disse Ariovaldo Ferreira, gerente de renda variável da H.Commcor.
Para Rafael Bevilacqua, estrategista da Levante Ideias de Investimento, a terceira alta seguida do Ibovespa mostra que o mercado segue corrigindo exageros da última semana, quando os atritos políticos levaram a fortes perdas na bolsa.
"É certo que teremos reforma da Previdência, mesmo que com alguma desidratação. Mas não teremos um processo linear, sem sobressaltos, sem volatilidade. O investidor precisa saber que essa é uma característica do Brasil", afirma. Para os próximos dias, afirma, a expectativa do mercado é pela participação do ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara, na quarta-feira (3). Um desempenho positivo do ministro pode dar a senha para um novo ciclo de confiança do investidor.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia