Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 29 de março de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

29/03/2019 - 11h47min. Alterada em 29/03 às 11h47min

Interno e externo dão força; Ibovespa retoma 95 mil pontos, tentando zerar perdas

Estadão Conteúdo
O bom humor interno e externo permitem um início de sexta-feira, 29, em alta, com o Ibovespa retomando os 95 mil pontos. A trégua entre Executivo e Legislativo, que já ajudou ontem o índice a fechar com elevação de 2,7%, aos 94.388,94 pontos, ganhou novo ingrediente que tende a permitir valorização por aqui. A escolha do relator na Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça (CCJ) da Câmara para a reforma previdenciária, já no fim da tarde de quinta-feira, pode contribuir para a continuidade dos ganhos.
Às 11h11min, o Ibovespa subia 1,45%, aos 95.754,47 pontos. Se essa dinâmica for corroborada, o Ibovespa pode encerrar março no campo positivo, após queda de 1,86% em fevereiro.
"Tem margem para algum alívio tanto por causa do quadro doméstico quanto pelo internacional", estima o economista Silvio Campos Neto, sócio da Tendências Consultoria Integrada. Entretanto, não se pode descartar algum ajuste para baixo, ainda que os condicionantes não indiquem nesta direção. Às 9h56, o Ibovespa futuro subia 1,25%, aos 95.885 pontos.
A percepção é de que a crise política gerada entre o presidente Jair Bolsonaro e o da Câmara, Rodrigo Maia, e entre este último com outros membros do governo ficou, por ora, no passado, reforçando as expectativa em relação à reforma da Previdência. "Pelo menos na abertura, está indicando alta e com jeito que irá retomar os 95 mil pontos. Porém, pode não ir muito além, seguir com volatilidade. É preciso novos passos concretos sobre a reforma para ganhar mais força", avalia.
A despeito da preocupação em torno da estimativa de enfraquecimento da economia mundial, Campos Neto ressalta que há alguns dados e informações que tendem a atenuar esse sentimento. Entre eles, questão comercial China/Estados Unidos e indicadores melhores que o esperado na Europa. "Os mercados internacionais exibem um quadro de menor aversão ao risco nesta manhã, com avaliações positivas dos encontros comerciais mantidos entre EUA e China nessa semana", diz.
De acordo com o Secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, o país concluiu dois dias de negociações comerciais "construtivas" em Pequim. Na Alemanha, maior economia da zona do euro, as vendas no varejo tiveram uma inesperada alta de 0,9% em fevereiro ante janeiro
O clima tranquilo no exterior reflete sobre as principais commodities. O petróleo avança impulsiona ganhos acima de 1% dos papéis da Petrobras, que acumulam valorização cerca de 5,00% este mês. Já a Vale se beneficia da alta do minério, diante da redução na produção da empresa. Neste caso, a ação ON da mineradora em março está perto de 9% e, nesta sexta, avança próximo a 4,00%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia