Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 25 de março de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 25/03 às 11h23min

'Barateamento' de ação e expectativa com cena política ajudam Ibovespa

Estadão Conteúdo
Após abertura em baixa, Ibovespa inverteu o sinal, passando a operar levemente em terreno positivo. De acordo com operador, a expectativa de uma melhora no relacionamento entre o presidente da República, Jair Bolsonaro, e o presidente doa Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em um contexto técnico de 'barateamento' da Bolsa, ajudam o índice a se recompor. No entanto, há certa instabilidade para firmar o sinal de alta no mercado à vista ainda que o índice futuro se mantenha favorável.
Às 11h02min, o Ibovespa subia 0,16%, aos 93.888,21 pontos ao mesmo tempo em que o índice futuro avançava 0,66%, a 94.215 pontos.
O presidente Jair Bolsonaro está reunido há cerca de duas horas com alguns dos principais ministros do seu governo para discutir a tramitação da reforma da Previdência, que enfrenta dificuldades no Congresso. Estão presentes na conversa os ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Paulo Guedes (Economia), Alberto Santos Cruz (Secretaria de Governo) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional).
Sem poder contar com tração do exterior e de olho no embate político interno, os investidores do mercado acionário local operam com certa negatividade. Esse sentimento mais acentuado semana passado levou o Ibovespa a recuar quase 7 mil pontos em quatro quedas consecutivas, após ter atingido a marca inédita dos 100 pontos. Mas, como mostrou matéria publicada na sexta-feira, a queda forte vai abrindo espaço para compras por grandes gestores locais - o que, durante a sessão, influencia para a reversão do sinal.
"Na verdade, o recuo que vemos no Ibovespa é uma devolução da expectativa do que aconteceria com a aprovação da Reforma da Previdência. Com essa expectativa sendo frustrada, recua", ressalta um gestor de renda variável.
No exterior, os ativos financeiros ainda se ressentem da perspectiva de desaceleração global, embora o sentimento das empresas na Alemanha tenha surpreendido com melhora, trazendo alento. Persiste o movimento de achatamento da curva de rendimentos dos Treasuries. Os contratos futuros de petróleo, em baixa, também refletem esse contexto.
Por aqui, a última semana para a divulgação dos balanços do quarto trimestre de 2018 pode ajudar algumas ações. Apresentam seus resultados Vale, JBS, Gafisa, Sabesp, Kroton e várias companhias elétricas, como Eletrobras, Cemig, Copel, CPFL e Light.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia