Porto Alegre, sexta-feira, 31 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 31 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 08h06min, 20/03/2019.

Bolsas da Ásia fecham mistas com dúvidas sobre comércio EUA-China e antes do Fed

As bolsas asiáticas fecharam sem direção única e com variações modestas nesta quarta-feira (20), em meio a novas incertezas sobre as negociações comerciais entre Estados Unidos e China e à espera do anúncio de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano).
As bolsas asiáticas fecharam sem direção única e com variações modestas nesta quarta-feira (20), em meio a novas incertezas sobre as negociações comerciais entre Estados Unidos e China e à espera do anúncio de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano).
Na China, o índice Xangai Composto ficou praticamente estável, com ligeira baixa de 0,01%, a 3.090,64 pontos, depois de chegar a cair 1% no meio do pregão. Já o menos abrangente Shenzhen Composto, formado por empresas menores, recuou 0,25%, a 1.684,57 pontos.
Nessa terça-feira (19), surgiram relatos de que o governo chinês estaria mostrando resistência a demandas feitas por Washington nas recentes discussões comerciais. No entanto, as apostas ainda são de que EUA e China eventualmente chegarão a algum tipo de acordo comercial, uma vez que autoridades de ambos os lados continuam engajadas nas conversas.
O secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, e o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, devem viajar à China na próxima semana para uma nova rodada de negociações com o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, segundo fontes ouvidas pela Dow Jones Newswires. Na semana seguinte, será a vez de Liu ir a Washington, dizem as fontes.
Investidores na Ásia também aguardam a decisão de política monetária do Fed, a ser anunciada às 15h (de Brasília). A expectativa é que o BC americano mantenha seus juros básicos na atual faixa de 2,25% a 2,50% e reduza sua projeção para futuros aumentos das taxas. De modo geral, a expectativa é que o Fed reforce o tom "dovish" - favorável à manutenção de estímulos - dos últimos meses, diante de sinais de desaceleração dos EUA e de outras grandes economias.
No Japão, o índice Nikkei subiu 0,20% nesta quarta, a 21.608,92 pontos, impulsionado por ações de empresas que atendem o mercado doméstico.
Em outras partes da região asiática, o Hang Seng caiu 0,49% em Hong Kong, a 29.320,97 pontos, e o sul-coreano Kospi teve perda marginal de 0,02% em Seul, a 2.177,10 pontos, mas o Taiex avançou 0,37% em Taiwan, a 10.551,56 pontos, alcançando o maior nível em cinco meses e meio.
Na Oceania, a bolsa australiana foi prejudicada por uma forte queda nos futuros de minério de ferro negociados na China, que por sua vez derrubou grandes mineradoras negociadas em Sydney. O índice S&P/ASX 200 caiu 0,32%, a 6.165,30 pontos, ficando no vermelho pela sétima vez nas últimas nove sessões.
Na bolsa chinesa de futuros de Dalian, o contrato do minério de ferro para maio sofreu um tombo de 3,7% nesta quarta, depois que decisões judiciais autorizaram a brasileira Vale a retomar algumas de suas operações. 
Comentários CORRIGIR TEXTO