Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 15 de março de 2019.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Consumo

Edição impressa de 15/03/2019. Alterada em 14/03 às 01h00min

Alimentos pressionam inflação dos mais pobres

A inflação medida por faixas de renda acelerou pela terceira vez consecutiva em fevereiro, segundo o indicador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), principalmente nas duas extremidades estudadas. Para as famílias situadas na faixa de renda mais baixa, os preços foram puxados pelos alimentos, enquanto as famílias com faixa de renda mais alta tiveram a alta de preços sustentada pelos gastos com educação. Nas faixas intermediárias, a inflação ficou mais contida, segundo o Ipea.
As famílias com renda muito baixa registraram taxa de inflação de 0,51% em fevereiro - contra 0,41% em janeiro e 0,21% em dezembro 2018 - devido ao aumento do ritmo de crescimento dos preços dos alimentos, em especial dos cereais (12,6%), das verduras (12,1%) e dos tubérculos (6,1%). "A contribuição de 0,36 ponto percentual, vinda dos alimentos, explica 70% de toda a variação da inflação de fevereiro das classes mais pobres", explicou o Ipea.
Por outro lado, a inflação de 0,53% observada no segmento de renda mais alta foi pressionada pelo grupo educação, cuja contribuição de 0,33 ponto percentual é decorrente dos reajustes de 4,6% dos cursos regulares e de 3,2% dos cursos diversos.
"Deve-se destacar que parte do impacto do grupo educação foi amenizada pelo comportamento dos transportes, dado que as deflações dos combustíveis (-0,9%) e das passagens aéreas (-16,7%) acabam beneficiando muito mais os segmentos de renda mais alta, pois são estas classes que consomem estes bens e serviços", disse o Ipea.
As famílias de renda baixa registraram inflação de 0,42% em fevereiro; as de renda média baixa, de 0,40%; as de renda média, 0,39%; e as de renda média alta, de 0,43%. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em fevereiro foi de 0,43%.
Nos últimos 12 meses, as famílias de renda muito baixa são também as com maior ajuste de preços, com alta acumulada de 4,16%, enquanto as famílias com renda mais alta acumulam inflação de 3,67%, a mais baixa do período. Na mesma comparação, o IPCA registra alta de 3,89%.
Ainda segundo o Ipea, a passagem de uma deflação de alimentos em fevereiro de 2018 para uma alta em 2019 explica este incremento da inflação das classes mais baixas. Já os reajustes mais baixos das mensalidades escolares e a queda nos preços dos combustíveis em 2019 são os principais fatores de alívio para a inflação dos mais ricos, quando comparada a 2018.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia