Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de março de 2019.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Ensino Superior

Edição impressa de 14/03/2019. Alterada em 14/03 às 13h24min

Feevale aposta na oferta de cursos digitais trimestrais

Novo formato atende à demanda dos alunos, explica Prodanov

Novo formato atende à demanda dos alunos, explica Prodanov


/CLAITON DORNELLES/JC
Desafio de diversos setores, a mudança geracional chegou à porta, também, da educação superior privada, que tenta atender a alunos cada vez mais em busca de dinamismo, diferentes experiências e custo mais baixo. A Feevale, de Novo Hamburgo, responde à questão com o chamado Feevale Digital, modelo de educação à distância da universidade comunitária lançado em 2019 com foco em onze municípios dos Vales do Sinos, Caí e Paranhana.
Segundo o reitor da universidade, Cleber Prodanov, a criação do modelo atende, também, a situações dos próprios alunos da região, com forte presença industrial, que muitas vezes acabam migrando de cidade durante a duração do curso. Os cursos digitais são oferecidos em trimestres, e não semestralmente como o presencial, mas com um currículo equivalente. "Queremos, com o tempo, repaginar a universidade toda a partir disso", comenta Prodanov, que vê a migração, com o tempo, de toda a educação todo para um modelo híbrido entre o presencial e o à distância.
O modelo é uma resposta, também, à crise econômica brasileira, que afetou diretamente o setor. Pela redução no custo de infraestrutura, os cursos acabam sendo mais baratos, permitindo à Feevale retomar alunos que deixaram a graduação em segundo plano nos últimos anos ou migraram para outras instituições. A escolha das cidades-polo, inclusive, atende nessa primeira fase os municípios que, tradicionalmente, são a origem da maioria dos alunos da universidade. Os polos ficam em Novo Hamburgo, Campo Bom, Parobé, Sapiranga, Igrejinha, Nova Petrópolis, Gramado, Gravataí, Esteio, São Sebastião do Caí e Montenegro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia