Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de março de 2019.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Edição impressa de 14/03/2019. Alterada em 13/03 às 23h17min

Exportações das indústrias gaúchas caem em fevereiro

Estado importou US$ 833 milhões em mercadorias no mês passado

Estado importou US$ 833 milhões em mercadorias no mês passado


TECON IMBITUBA/TECON IMBITUBA/DIVULGAÇÃO/JC
A redução da demanda externa provocou retração nas exportações totais gaúchas em fevereiro, segundo os dados divulgados ontem pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs). As vendas externas do Estado fecharam em US$ 1 bilhão, queda de 14,6%. "O resultado de fevereiro, especialmente pela diminuição dos pedidos de compras de importantes parceiros comerciais, nos distancia ainda mais da recuperação que o setor industrial necessita em função das perdas sofridas nos últimos anos", afirma o presidente em exercício da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), Gilberto Ribeiro.
A retração do setor de máquinas e equipamentos nas exportações gaúchas no mês passado chegou a 73,7%. Contribuiu para esse fato a redução nas vendas de máquinas e equipamentos agrícolas para a Argentina (menos US$ 10 milhões), juntamente com a comercialização não recorrente de mercadorias do setor para a China, em fevereiro de 2018. No ano passado, a China adquiriu US$ 85 milhões em compressores de gases e US$ 44,6 milhões máquinas e aparelhos mecânicos com função própria, o que não se repetiu em 2019.
Produtos químicos, cujas vendas caíram 24,7% em fevereiro na comparação com o mesmo mês de 2018, também exerceram forte influência para o resultado negativo das exportações gaúchas. Os embarques do setor para a Argentina e a China caíram US$ 40 milhões.
Outra contribuição significativa para o resultado das exportações do Estado foi o desempenho do grupo de produtos básicos (-92,1%), cujas vendas externas somaram apenas US$ 20 milhões neste mês. Somente a venda de soja caiu 99,1%, com US$ 2 milhões comercializados, o menor valor desde 2015. Historicamente, os embarques de soja para o exterior apresentam forte sazonalidade, indicando pouca ou quase nenhuma venda externa nos primeiros meses do ano. A exceção foi no ano passado, quando se exportou US$ 200 milhões em fevereiro.
Ao considerar o registro de uma plataforma de petróleo e gás (P-74) em fevereiro de 2018 no valor de US$ 1,5 bilhão, o resultado do recuo das exportações gaúchas no mês passado fica em 65,5%.
Em relação às importações, o Estado adquiriu US$ 833 milhões em mercadorias, assinalando a primeira retração (-7,5%) para fevereiro desde 2016. Combustíveis e lubrificantes (-28,7%) e Bens de consumo (-36,7%) puxaram a queda das importações no mês.
Nos dois primeiros meses de 2019, as exportações do Rio Grande do Sul acumularam US$ 3,8 bilhões, retração de 10,9% ante o primeiro bimestre do ano passado. Por sua vez, a indústria gaúcha também apresentou uma queda de 5% sob a mesma base de comparação, atingindo US$ 3,6 bilhões. Desconsiderando o registro das plataformas, o setor secundário assinalou alta de 2,5%, enquanto as exportações totais do Estado apresentaram decréscimo de 7,9%.
Parceiro comercial relevante do Rio Grande do Sul, a Venezuela passa por grave crise econômica. O vizinho sul-americano despencou 19 posições no ranking de exportações anuais do Estado, passando do 10º parceiro comercial, em 2012, para o 29º, em 2018.
 

Principais destinos das exportações gaúchas (fevereiro 2019/fevereiro 2018)

1º - Estados Unidos: crescimento de 24,3%, totalizando US$ 138 milhões.
Principal produto: Resinas termoplásticas.
2º - China: retração de 73,4%, totalizando US$ 114 milhões.
Principal produto: Tabaco.
3º - Argentina: retração de 44,1%, totalizando US$ 81 milhões.
Principal produto: Automóveis, caminhonetas e utilitários.
Fonte: Fiergs
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia