Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de março de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 06/03 às 08h08min

Bolsas asiáticas fecham mistas, mas chinesas sobem com promessa de estímulos

Estadão Conteúdo
As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta quarta-feira (6), com as chinesas impulsionadas por medidas de estímulos anunciadas por Pequim.
Na China continental, o índice Xangai Composto subiu 1,57%, a 3.102,10 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 1,49%, a 1.660,41 pontos.
Nessa terça-feira (5), o governo chinês anunciou que pretende estimular ainda mais a economia através de cortes de impostos e outras taxas que deverão somar quase 2 trilhões de yuans (cerca de US$ 289 bilhões) e gastos adicionais em projetos de infraestrutura. O plano foi revelado na abertura do chamado Congresso Nacional do Povo, reunião legislativa anual que deverá se estender até por volta do dia 15.
O esforço adicional de Pequim vem num momento de desaceleração da economia chinesa. Em 2018, o Produto Interno Bruto (PIB) da China teve alta de 6,6%, a menor em quase três décadas. Para este ano, foi estabelecida meta de crescimento de 6% a 6,5%.
Investidores também continuam atentos às negociações comerciais entre Estados Unidos e China. Na segunda-feira, o Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, afirmou que as duas maiores economias do mundo estavam "prestes" a chegar a um acordo para encerrar a disputa comercial iniciada em meados do ano passado. Já ontem, Pompeo disse que o presidente americano, Donald Trump, irá rejeitar qualquer acordo que não seja perfeito, embora tenha ressaltado que Washington continuará trabalhando para garantir um acerto com os chineses.
O dia também foi de valorização em Hong Kong, com alta de 0,26% do Hang Seng, a 29.037,60 pontos, e em Taiwan, onde o Taiex subiu 0,50%, a 10.357,15 pontos, interrompendo uma sequência de três pregões negativos.
No Japão e na Coreia do Sul, por outro lado, os mercados recuaram. O japonês Nikkei caiu 0,60% em Tóquio, pressionado por ações dos setores de lojas de conveniência e varejo. Em Seul, o sul-coreano Kospi teve modesta baixa de 0,17%, a 2.175,60 pontos, em sua quarta sessão consecutiva de perdas.
Na Oceania, a bolsa da Austrália reagiu positivamente a dados fracos da economia doméstica, em meio à especulação de que o indicador favorece um futuro corte na taxa básica de juros do país. O S&P/ASX 200 avançou 0,75% em Sydney, a 6.245,60 pontos, atingindo nova máxima em seis meses.
Dados oficiais divulgados no fim da noite dessa terça mostraram que o Produto Interno Bruto (PIB) da Austrália cresceu 0,2% no quarto trimestre de 2018 ante os três meses anteriores e teve expansão anual de 2,3% no período. A previsão de analistas era de acréscimo trimestral de 0,3% e ganho anual de 2,6%. Horas antes, o BC australiano, conhecido como RBA, decidiu manter seu juro básico na mínima histórica de 1,5%, patamar em que se encontra desde agosto de 2016. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia