Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 04 de março de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

04/03/2019 - 10h33min. Alterada em 04/03 às 10h33min

Cobre opera em baixa, pressionado por valorização do dólar

Na Nymex o cobre para entrega em maio recuava 1,14%

Na Nymex o cobre para entrega em maio recuava 1,14%


MARTIN BERNETTI/AFP/JC
Estadão Conteúdo
Os futuros de cobre operam em baixa em Londres e Nova York, pressionados pela valorização do dólar e apesar de maiores expectativas de que Estados Unidos e China conseguirão fechar um acordo comercial.
Por volta das 8h20 (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) caía 0,81%, a US$ 6.390,00 por tonelada.
Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova Iorque (Nymex), o cobre para entrega em maio recuava 1,14%, a US$ 2,8985 por libra-peso, às 8h55 (de Brasília).
O índice DXY do dólar se fortalece nos negócios da manhã, tornando o cobre menos atraente para investidores que utilizam outras moedas.
A queda do cobre contrasta com o tom positivo de outros mercados financeiros, como de ações e petróleo, que sobem em reação a relatos de que Estados Unidos e China estão no estágio final de negociações para um pacto comercial que reverta a guerra tarifária iniciadas pelas duas maiores economias do mundo em meados do ano passado.
Entre outros metais básicos da LME, a tendência era majoritariamente negativa. No horário indicado acima, a tonelada do alumínio tinha baixa de 1,31%, a US$ 1.885,50, enquanto a do zinco diminuía 1,04%, a US$ 2.747,50, a do estanho perdia 0,44%, a US$ 21.550,00, e a do chumbo recuava 0,80%, a US$ 2.120,00 por tonelada.
Exceção no mercado inglês, o níquel subia 0,65%, a US$ 13.260,00 por tonelada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia