Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 01 de março de 2019.
Dia do Turismo Ecológico.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

01/03/2019 - 08h02min. Alterada em 01/03 às 08h02min

Bolsa de Xangai lidera ganhos na Ásia, após MSCI ampliar peso de ações chinesas

Estadão Conteúdo
As bolsas asiáticas fecharam em alta generalizada nesta sexta-feira (1°), lideradas pelas chinesas, que subiram após o MSCI anunciar que irá ampliar fortemente o peso de ações da China em seu influente índice de emergentes este ano.
O MSCI informou que pretende ampliar o "fator de inclusão" de ações chinesas em seus índices, de 5% para 20%. Com a iniciativa, o peso de ações da China no índice MSCI de mercados emergentes saltará de cerca de 0,7% atualmente para 3,3% até novembro.
A decisão não apenas torna papéis negociados nas Bolsas de Xangai e Shenzhen muito mais relevantes para investidores globais como deverá atrair cerca de US$ 80 bilhões em novos fluxos estrangeiros para a China, segundo cálculo do MSCI.
Principal índice acionário chinês, o Xangai Composto subiu 1,80% hoje, a 2.994,01 pontos, atingindo o maior nível desde junho de 2018. Na semana, o Xangai acumulou valorização de 6,8%. O menos abrangente Shenzhen Composto avançou 1,20%, a 1.564,84 pontos, assegurando ganho semanal de 5,9%.
Já os últimos dados da IHS Markit e Caixin Media mostram tentativa de recuperação no setor manufatureiro da China. O chamado índice de gerentes de compra (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial chinês subiu de 48,3 em janeiro para 49,9 em fevereiro, superando projeção de analistas de alta para 49. De qualquer forma, a leitura abaixo de 50 marcou o terceiro mês de contração na manufatura.
Investidores também continuam atentos às negociações comerciais entre Estados Unidos e China. Larry Kudlow, principal assessor econômico do presidente americano, Donald Trump, disse ontem que os dois lados vêm tendo progresso "fantástico" nas conversas. "Acho que estamos nos encaminhando para um acordo notável, histórico", disse à emissora CNBC.
Anteontem, o representante do Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, exibiu tom mais cauteloso, ao dizer que a China precisa se esforçar mais para garantir um pacto comercial permanente com Washington.
Em outras partes da Ásia, o japonês Nikkei subiu 1,02% hoje, a 21.602,69 pontos, alcançando o maior patamar em 11 meses, enquanto o Hang Seng avançou 0,63% em Hong Kong, a 28.812,17 pontos. Ao longo da semana, o Nikkei se valorizou 0,83%, mas o Hang Seng ficou praticamente estável. Na Coreia do Sul e em Taiwan, não houve negócios nesta sexta devido a feriados locais.
Na Oceania, a bolsa australiana também ficou no azul, mais uma vez favorecida por ações de grandes bancos domésticos. O S&P/ASX 200 teve alta de 0,38% em Sydney, a 6.192,70 pontos. O ganho do índice na semana foi similar, de 0,40%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia