Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 28/02 às 20h10min

Dólar se fortalece com PIB dos EUA, mas tem pouco fôlego ante divisas fortes

Estadão Conteúdo
O dólar se fortaleceu em geral nesta quinta-feira (28), após a divulgação de uma leitura do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos acima do esperado no quarto trimestre. A moeda, contudo, mostrou pouco fôlego diante de outras divisas fortes, oscilando, por exemplo, perto da estabilidade em relação ao euro.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar subia a 111,46 ienes, o euro avançava a US$ 1,1378 e a libra recuava a US$ 1,3264.
O PIB americano cresceu 2,6% no quarto trimestre de 2018, acima da mediana das previsões dos analistas consultados pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, de 2,2%. Por outro lado, o resultado representou uma desaceleração ante o terceiro trimestre do ano passado. Presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de Dallas, Robert Kaplan apontou nesta tarde que pode levar alguns meses até que esteja claro o patamar da desaceleração econômica do país, o que justifica a paciência na condução da política monetária.
Após o PIB dos EUA, o dólar ganhou fôlego. A moeda subiu diante de divisas emergentes e ligadas a commodities, em dia de petróleo de lado e após um dado fraco do índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) da indústria da China, na leitura oficial.
Na Europa, a libra mostrou fraqueza, com ajuste após altas recentes. O processo de saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) seguiu no radar. O ministro da Agricultura, George Eustice, pediu demissão em protesto contra uma votação no Parlamento britânico que poderá adiar a data do Brexit. Para o político, isso deixará que a UE dite os termos do acordo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia