Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Alterada em 28/02 às 09h42min

PIB repete desempenho de 2017 e cresce 1,1% em 2018

Economia brasileira totalizou R$ 6,8 trilhões no período

Economia brasileira totalizou R$ 6,8 trilhões no período


FREDY VIEIRA/ARQUIVO/JC
Folhapress
A economia brasileira cresceu 1,1% em 2018 em relação ao ano anterior, informou nesta quinta-feira (28) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O PIB totalizou R$ 6,8 trilhões em 2018. A taxa é o mesmo do que foi registrado em 2017. No quarto trimestre de 2018, o PIB cresceu 0,1% em relação ao terceiro trimestre - uma herança considerada fraca por especialistas. 
Sobre o quarto trimestre de 2017, a alta foi de 1,1%. O ritmo de atividade se manteve similar a 2017, desapontando economistas que iniciaram 2018 com expectativa de crescimento perto de 3% para o ano.
Ao longo do ano passado, as previsões foram continuamente revistas para baixo com a paralisação dos caminhoneiros, ocorrida em maio, um mercado de trabalho cuja débil recuperação se deu à base de vagas informais e incertezas ligadas às eleições presidenciais.
O resultado veio em linha ao esperado pela maior parte dos analistas do mercado financeiro. Especialistas não esperam um quadro muito diferente para 2019. Mesmo que a reforma da Previdência seja aprovada neste ano, é pouco provável que a economia brasileira encontre fôlego para deslanchar em 2019.
Passada a euforia de empresários e mercado financeiro com a eleição de Jair Bolsonaro (PSL), já há quem espere crescimento abaixo de 2%, com a retomada mais forte, uma vez mais, sendo empurrada para o próximo ano.
Até meados de 2018, economistas também previam alta perto de 3% para o PIB (Produto Interno Bruto) de 2019.
Segundo o analista da RC Consultores Everton Carneiro, apesar de os indicadores de confiança do empresariado estarem em alta, no mundo real ainda paira certa incerteza quanto ao governo de Jair Bolsonaro.
A dúvida quanto à real capacidade de articulação e realização do governo seria o motivo para que os empresários ainda estejam optando por esperar para retomar os investimentos no país.
A proposta da reforma da Previdência agradou e a expectativa do mercado é que ela seja aprovada, devido a uma articulação junto ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia.
Mesmo assim, empresários estariam esperando para ver como irá se dar a negociação no Congresso antes de decidir retomarem os investimentos. "Como o governo começou muito instável, o mercado está aguardando as coisas se alinharem", diz.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia