Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

12/02/2019 - 08h05min. Alterada em 12/02 às 08h22min

De olho em comércio e 'shutdown', bolsas asiáticas fecham em alta generalizada

Estadão Conteúdo
As bolsas asiáticas fecharam em alta generalizada nesta terça-feira (12), em meio a expectativas de que Estados Unidos e China avancem em suas negociações comerciais e indícios de que o governo americano poderá evitar uma segunda paralisação (shutdown) de sua máquina administrativa.
Investidores acompanham as discussões comerciais sino-americanas, que foram retomadas nesta semana em Pequim, com a expectativa de que as duas maiores economias do mundo consigam superar suas desavenças no comércio.
Americanos e chineses têm até 1º de março para tentar chegar a um acordo, antes que, no dia seguinte, Washington eleve tarifas sobre mais US$ 200 bilhões em produtos chineses, de 10% para 25%.
Entre os mercados chineses, o índice Xangai Composto subiu 0,68% nesta terça, a 2.671,89 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 1,20%, a 1.364,15 pontos.
Os ganhos na Ásia, no entanto, foram liderados pelo mercado japonês, que não operou nessa segunda-feira (11) devido a um feriado nacional. O Nikkei teve alta de 2,61% em Tóquio, a maior desde 27 de dezembro, fechando a 20.864,21 pontos, graças ao forte desempenho do subíndice de fabricantes de máquinas (+3,8%) e à desvalorização do iene em relação ao dólar durante a madrugada.
Também contribuiu para a melhora do sentimento na região asiática notícia de que congressistas nos Estados Unidos chegaram a um acordo preliminar no fim da noite de ontem para aprovar o orçamento federal e evitar uma nova paralisação parcial (o chamado "shutdown") do governo americano.
O acordo prevê a destinação de US$ 1,375 bilhão para a construção de barreiras feitas de ripas de aço em um trecho de 88 quilômetros da fronteira dos EUA com o México. O valor, porém, é bem inferior aos US$ 5,7 bilhões que o presidente Donald Trump exige para a construção de um muro sólido de mais de 320 quilômetros na divisa.
Sem um acordo, o governo dos EUA estará sujeito a um novo shutdown a partir do fim de semana. Recentemente, um impasse sobre a construção do muro na fronteira com o México deixou a máquina pública federal americana parcialmente paralisada pelo período recorde de 35 dias.
Em outras partes da Ásia, o Hang Seng avançou 0,10% em Hong Kong, a 28.171,33 pontos, enquanto o sul-coreano Kospi subiu 0,45% em Seul, a 2.190,47 pontos, e o Taiex registrou ganho de 0,93% em Taiex, a 10.097,74 pontos, atingindo o maior nível em dez semanas.
Na Oceania, a bolsa australiana voltou ao azul, após dois pregões negativos, impulsionada por ações de petrolíferas e mineradoras. O índice S&P/ASX 200 subiu 0,30% em Sydney, a 6.079,10 pontos. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia