Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019.
Aniversário da Casa da Moeda do Brasil.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Alterada em 11/02 às 10h52min

Clima econômico na América Latina melhora para -9,1 pontos em janeiro, diz FGV

ICE do Brasil avançou de -33,9 pontos negativos, em outubro de 2018, para 3,6 pontos em janeiro de 2019

ICE do Brasil avançou de -33,9 pontos negativos, em outubro de 2018, para 3,6 pontos em janeiro de 2019


CLAITON DORNELLES /JC
Estadão Conteúdo
O Indicador de Clima Econômico (ICE) da América Latina registrou melhora na passagem do trimestre encerrado em outubro de 2018 para o trimestre terminado em janeiro de 2019, embora permaneça em patamar desfavorável: passou de -10,7 pontos para -9,1 pontos.
O levantamento é feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) em parceria com o instituto alemão Ifo.
A melhora foi influenciada pela alta do Indicador das Expectativas (IE), que passou de 21,6 pontos em outubro para 25 pontos em janeiro. Já o Indicador da Situação Atual (ISA) saiu de -38,3 pontos para -38,0 pontos no mesmo período.
A melhora do ICE da América Latina foi puxada pelos resultados mais favoráveis do Brasil. O ICE do Brasil avançou de -33,9 pontos negativos em outubro de 2018 para +3,6 pontos em janeiro de 2019. A recuperação é explicada pelo aumento de 240% do indicador de expectativas, de 25,9 pontos em outubro para 88 pontos em janeiro.
No mundo, o Índice de Clima Econômico (ICE) permanece na zona desfavorável: o ISA encerrou em 2,2 pontos em janeiro, enquanto o IE ficou em -2,7 pontos. Houve piora do ICE nos Estados Unidos (-2,9 pontos), União Europeia (-13,0 pontos), França (-23,8 pontos), Japão (-18,9 pontos) e Reino Unido (-46,7 pontos).
Entre os países que forma o grupo dos Brics, o ICE da China caiu em consequência de uma piora das avaliações sobre a situação atual e expectativas, que se mantiveram em terreno negativo, em -38,8 pontos. O mesmo ocorreu na África do Sul (-33,7 pontos). Rússia (-22,1 pontos), Índia (+10,4 pontos) e Brasil registram melhora na avaliação do clima econômico, mas apenas os dois últimos países estão na zona favorável do ICE.
Observa-se que a Índia registra ICE positivos, desde outubro de 2013, o que sinaliza um período sustentado para um crescimento favorável, ressaltou a FGV.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia